1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha subsidia retorno ao Afeganistão

O governo alemão vai liberar dois milhões de euros para incentivar o regresso voluntário de afegãos ao seu país.

default

Ministra alemã de Ajuda ao Desenvolvimento, Heidemarie Wieczorek-Zeul

A ministra alemã de Cooperação Econômica e Desenvolvimento, Heidemarie Wieczorek-Zeul, anunciou nesta terça-feira (4), em Berlim, o programa de ajuda ao desenvolvimento que deverá contribuir para a reconstrução do Afeganistão. O programa convoca 8 mil dos 70 mil afegãos residentes na Alemanha a cooperar com a consolidação de uma economia próspera e de uma democracia estável no Afeganistão, declarou a ministra.

Repatriação com emprego garantido

O programa pretende selecionar até 200 afegãos com alta qualificação profissional para projetos de política de desenvolvimento. Segundo justificou a ministra, após 20 anos de guerra, o Afeganistão precisa urgentemente de profissionais qualificados, sobretudo médicos, professores, advogados e engenheiros.

Outros 8 mil afegãos poderão retornar ao seu país com emprego garantido, a ser viabilizado pelo Ministério alemão de Cooperação Econômica, com ajuda de organizações de ajuda ao desenvolvimento. Estes voluntários receberão um subsídio mensal de 100 euros. Microempresários que pretendam permanecer por mais tempo em seu país receberão até 8 mil euros de ajuda financeira.

Voluntários mantêm visto alemão

A ministra destacou o caráter voluntário da repatriação a ser incentivada pelo programa. Os afegãos que resolverem retornar não perderão seu visto de permanência na Alemanha.

A comunidade internacional pretende incentivar a reconstrução do Afeganistão com mais de 4,7 bilhões de euros, recursos a serem liberados até 2005. O valor total dos custos é estimado em 15,3 bilhões de euros.

O governo alemão, que encara a ajuda ao desenvolvimento no Afeganistão como elemento fundamental da "guerra contra o terrorismo", liberou uma verba de 320 milhões de euros para a reconstrução do país em guerra.