Alemanha será membro do Conselho de Segurança da ONU por dois anos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 12.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha será membro do Conselho de Segurança da ONU por dois anos

A filiação ao órgão das Nações Unidas encarregado de zelar pela paz mundial era uma meta de longa data da Alemanha. Agora ela é um dos cinco novos membros não permanentes do grêmio encarregado de zelar pela paz mundial.

default

Ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, na assembleia geral da ONU

Em votação na assembleia geral das Nações Unidas, nesta terça-feira (12/10) em Nova York, foi concedido à Alemanha o status de membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas durante 2011 e 2012. Trata-se de uma meta longamente almejada pelo país, que anunciara a presente candidatura em 2006.

Para uma filiação é necessária a aprovação de, no mínimo, dois terços dos 192 países-membros da ONU, em votação sigilosa.

Também Portugal, Colômbia, Índia e África do Sul serão membros não permanentes do órgão a partir do próximo ano. O Conselho – cuja atribuição, segundo a Carta da ONU, é zelar pela paz mundial – compõe-se de cinco membros permanentes e dez não permanentes.

Reação à Segunda Guerra

O Conselho de Segurança da ONU foi criado pouco depois do final da Segunda Guerra Mundial. Sua finalidade primordial era militar: permitir ordenar rapidamente operações armadas. As potências mundiais não queriam nunca mais ser surpreendidas pela guerra, e mobilizaram tropas que ficavam subordinadas a um comando central.

UN-Sicherheitsrat Iran-Sanktionen

Reunião do Conselho de Segurança em Nova York

Porém o papel do Conselho se alterou mais rapidamente do que o esperado. Quando a União Soviética e o Ocidente entraram em conflito, os russos passaram a fazer uso de seu direito de veto com frequência, o que se repetiria com frequência nos primeiros 20 anos de existência do grêmio. Assim, pouco se pôde fazer durante esse período.

Uma exceção foi a Guerra da Coreia, em 1950, explica David Bosco, jurista e cientista político pela American University. Como os soviéticos haviam boicotado o Conselho de Segurança, os Estados Unidos, Reino Unido e França puderam aprovar resoluções em sua ausência. Eles condenaram a invasão da República da Coreia do Sul pela Coreia do Norte e enviaram soldados para a região.

Depois da Cortina de Ferro

As guerras no Oriente Médio, no final da década de 1960, início de 1970, foram uma das raras ocasiões em que os interesses de estadunidenses e soviéticos coincidiram. De resto, o Conselho de Segurança tornou-se, acima de tudo, um palco para espetaculares conflitos políticos, como durante a crise de Cuba.

Somente nos anos 1980, com a virada política na União Soviética, graças à atuação de Mikhail Gorbatchov, passou a se impor uma atmosfera de maior cooperação dentro do órgão das Nações Unidas. No decorrer dos anos, o Conselho transformou-se, de força-tarefa em fórum para prevenção de crises.

O conflito entre o Iraque e o Irã demonstrou sua capacidade de trabalhar com maior eficiência, analisa Bosco. Os cinco membros permanentes passaram a realizar reuniões a portas fechadas e, a partir daí, houve mais resoluções, mais missões de paz, embargos armamentistas e sanções. Após a invasão do Kuweit pelo Iraque, o Conselho autorizou a primeira Guerra do Golfo Pérsico.

Antiquado, porém necessário

Os anos mais produtivos do Conselho de Segurança da ONU foram 1993-94, quando aprovou dezenas de resoluções sobre o conflito nos Bálcãs, na Somália e em Ruanda. Deste então, as atividades do órgão diminuíram de intensidade.

A segunda Guerra do Golfo gerou uma crise, em 2003. O fato de os EUA passarem por cima da decisão do grêmio e marcharem sobre o Iraque com o apoio de alguns aliados foi um duro golpe para a autoridade da ONU. No entanto, o fiasco do conflito serviu para demonstrar os riscos de iniciativas armadas isoladas.

Hoje, o Conselho continua sendo alvo de críticas. Ele está excluído do processo de paz no Oriente Médio, missões de paz como a da Bósnia contam como fracassos, e também o conflito em torno do programa nuclear iraniano redundou num grande impasse.

Segundo o cientista político Bosco, o Conselho de Segurança das Nações Unidas está longe de ser perfeito e clama por uma reforma, pois sua constituição não mais corresponde às relações de poder no século 21. Tal não significaria, porém, que ele seja totalmente ineficaz. Acima de tudo, tem o mérito de obrigar as grandes potências a dialogarem regularmente.

Autor: Christina Bergmann (av)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais