Alemanha rejeita proposta europeia e diz que manterá subsídio a minas até 2018 | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 21.07.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemanha rejeita proposta europeia e diz que manterá subsídio a minas até 2018

UE quer que países fechem minas de carvão subsidiadas até 2014. Alemanha, que firmou acordo há três anos com o setor, diz que manterá benefício até 2018.

default

Exploração na região alemã do Vale do Ruhr

Diante da proposta da Comissão Europeia de que minas de carvão subsidiadas sejam fechadas até 2014, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, reagiu com tranquilidade: "Para mim, tem validade o acordo firmado com as partes envolvidas", disse em Berlim nesta quarta-feira (21/07).

Na véspera, o órgão executivo da União Europeia (UE) anunciou que deseja que os membros do bloco cessem os subsídios à indústria carvoeira em quatro anos. Na Alemanha, entretanto, há três anos, o governo federal havia se comprometido a manter o auxílio até 2018.

O atual regime de subsídios do bloco destinado a indústria expira no final de 2010. Para substituí-lo, a UE quer que os estados-membros aprovem uma lei que estipula a data de 15 de outubro de 2014 como prazo para fechamento daquelas minas que dependem de recursos financeiros do governo.

Viabilidade sem subsídio

Segundo a proposta feita nesta terça-feira, a Comissão Europeia autorizaria o subsídio apenas às minas que tenham um plano para encerrar suas atividades. "As companhias precisam ser viáveis sem subsídios. É uma questão de justiça em relação aos competidores que operam sem ajuda do governo", explicou Joaquín Almunia, comissário de Assuntos Econômicos e Monetários da UE.

"Energia renovável e limpa é o caminho a ser seguido, mas não podemos ignorar as terríveis consequências econômicas e sociais que se seguiriam se houvesse um fechamento repentino dessas minas, além do número alto de desemprego", argumentou Almunia.

Espanha e Romênia também seriam atingidas

A Alemanha ainda tem seis minas de carvão em operação, localizadas nos estados da Renânia do Norte-Vestfália e do Sarre. O setor emprega aproximadamente 27 mil trabalhadores e recebe 2,6 bilhões anuais em subsídios.

Um porta-voz do grupo RAG, que opera as minas alemãs, disse que "imagina que o governo alemão fará tudo ao seu alcance" para manter a produção até 2018. A matéria-prima é responsável por quase 50% da produção de energia no país.

No restante da UE, Espanha e Romênia também destinam subsídios à indústria carvoeira. O bloco é responsável apenas por 2,5% da produção mundial de carvão, com 147 milhões de toneladas (dado de 2008) – e importa mais da metade da matéria-prima usada nas usinas. A Polônia, maior produtora de carvão na UE, não deverá sofrer efeitos significativos com a medida.

NP/afp/dpa/rts/apn

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais