1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha rejeita comando da tropa de paz em Cabul

Chefe de governo alemão, Gerhard Schröder, diz a premier afegão, Hamid Karzai, que Alemanha rejeita comando da tropa de paz e também uma ampliação do mandato da ISAF para além de Cabul.

default

Chefe de governo afegão, Hamid Karzai (e), com o chanceler federal alemão, Gerhard Schröder

Como parceira tradicional do Afeganistão, a Alemanha quer apoiar a reconstrução do país destruído pela guerra, mas pretende manter o seu papel militar limitado. O chanceler federal, Gerhard Schröder, rejeitou uma extensão do mandato da tropa internacional de proteção (ISAF) para além de Cabul, no seu encontro com o chefe do governo interino afegão, Hamid Karzai, em Berlim, nesta quinta-feira (14). Schröder rejeitou também o pedido de Karzai para que a Alemanha assumisse o comando da tropa de paz. O chefe de governo alemão concorda com uma prorrogação do mandato da ISAF limitado até junho pela ONU.

Karzai já conta como certo que a Turquia assumirá a liderança da tropa de paz em abril, no lugar da Grã-Bretanha. A Turquia é o único país muçulmano que faz parte da OTAN e se dispôs a comandar as forças de paz, desde que receba ajuda financeira dos parceiros na Organização do Tratado do Atlântico Norte.

O premier afegão lamentou que as Forças Armadas alemãs (Bundeswehr) tenham rejeitado o comando da ISAF e destacou que, se a Turquia assumir esse papel, a Alemanha continuará sendo o número dois da tropa de 19 nações. A Alemanha foi a sede das negociações entre os representantes das quatro etnias afegãs principais, que levaram à criação do governo interino e Karzai ao poder. Ele chegou em Berlim na quarta-feira (13) para sua primeira visita ao país. Schröder aceitou o seu convite para visitar o Afeganistão.

Ajuda - No segundo dia da visita de Karzai, Alemanha e Afeganistão assinaram uma declaração de intenções sobre uma cooperação econômica estreita de investidores da iniciativa privada na reconstrução do país asiático. O governo alemão quer financiar o envio de peritos para ajudar na reconstrução do Afeganistão. A ajuda financeira alemã será, segundo Schröder, sobretudo para os setores de construção civil, telecomunicação, educação e formação de um corpo policial. Karzai pediu também a ajuda do empresariado alemão num encontro com representantes da Federação das Indústrias Alemãs (BDI).

Com doações de 80 milhões de euros este ano e promessa do governo de 320 milhões de euros até 2005, a Alemanha é o maior doador de recursos ao Afeganistão entre os 15 países da União Européia.

Eleições – Em conversa com o presidente do Parlamento, Wolfgang Thierse, Karzai mostrou-se confiante na realização de eleições parlamentares no Afeganistão dentro de dois ou três anos, como prevê o acordo firmado em Bonn.

A ministra alemã da Cooperação Econômica, Heidemarie Wiczorek, prometeu ajuda técnica e financeira para a convocação e funcionamento da tradicional assembléia Loya Jirga, em meados de junho. Cerca de 1.500 chefes de tribos deverão encaminhar a segunda etapa do processo de transição política no Afeganistão e formar um governo para os próximos 18 meses.