1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemanha registra inflação negativa pela primeira vez desde 2009

Baixa do petróleo provoca queda do índice inflacionário da maior economia da Europa em janeiro. Economistas descartam risco de deflação e preveem que preços voltem a subir no segundo semestre.

Pela primeira vez desde a crise econômica de 2009, a Alemanha registrou um índice de inflação negativo em janeiro deste ano, de - 0,3%, anunciou nesta quinta-feira (29/01) o Departamento Federal de Estatísticas da Alemanha (Destastis).

"Esta é a queda mais forte dos últimos cinco anos e meio", informou o Destastis. De acordo com o departamento de estatísticas, a razão para essa queda estaria na redução dos preços da energia e dos alimentos.

Economistas reagiram surpresos à notícia: eles esperavam uma queda de 0,1% e prognosticam uma retomada do aumento de preços somente no segundo semestre do ano. Em dezembro, a taxa de inflação no país ainda havia registrado um leve aumento, de 0,2%.

Queda ligada ao petróleo

De acordo com o economista-chefe do Postbank, Marco Bargel, "a queda se deve à forte redução dos preços do petróleo". Desde meados do ano passado, o preço do barril caiu mais do que pela metade, o que diminuiu significantemente os custos de combustíveis e aquecimento.

Em comparação com janeiro de 2014, o preço da energia caiu 9% no país. No mesmo período, os alimentos ficaram 1,3% mais baratos na Alemanha. Em contrapartida, os serviços e aluguéis registraram alta de 1,3%.

"Os preços baixos da energia também vão manter a taxa de inflação negativa nos próximos seis meses", prognosticou a economista Jennifer McKeown, da Capital Economics.

Cotação do euro

A maioria dos analistas descarta o risco de deflação, que acontece somente quando a inflação se mantém negativa por um longo período de tempo.

"Entre os sinais de uma deflação está também a redução de investimentos e do consumo privado", afirma Bargel. "Não vemos isso acontecer nem na Alemanha nem na Europa. Pelo contrário."

O especialista espera que os preços voltem a subir no segundo semestre na Alemanha. "Uma razão para isso é a baixa cotação do euro, através da qual importamos a inflação para a Alemanha."

No período de um ano, a cotação da moeda comum europeia caiu 17% em relação ao dólar. Como a maior parte das matérias-primas é comercializada em dólar, as importações ficam mais caras com o euro em baixa.

CA/rtr/afp

Leia mais