Alemanha reconhece rebeldes como legítimos representantes dos líbios | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 13.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha reconhece rebeldes como legítimos representantes dos líbios

Ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, fez visita surpresa a Bengasi, considerada bastião dos opositores do regime Khadafi, e reconheceu oficialmente o Conselho de Transição Nacional.

Ministros alemães Niebel e Westerwelle na Líbia

Ministros alemães Niebel e Westerwelle na Líbia

A Alemanha reconheceu o Conselho de Transição Nacional (CTN) dos rebeldes como representante do povo líbio, disse o ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, nesta segunda-feira (13/06) em Bengasi.

O anúncio foi feito durante visita de Westerwelle à segunda maior cidade da Líbia e bastião das forças que lutam contra o regime Khadafi. Após encontrar-se com autoridades, inclusive com o colega de pasta "rebelde", Ali al-Essawi , Westerwelle afirmou em Bengasi que o "CTN é o único representante legítimo do povo líbio" e que "queremos uma Líbia livre, com paz e democracia e sem Khadafi".

Acompanhado pelo ministro alemão da Cooperação Econômica, Dirk Niebel, Westerwelle fez uma visita surpresa de um dia à Líbia, a caminho de uma viagem planejada para visitar Israel e os territórios palestinos.

Reconhecimento dos rebeldes

Com o anúncio de Westerwelle, a Alemanha se torna o 13° país a reconhecer os rebeldes como interlocutores e representantes do povo líbio, após Austrália, Catar, Espanha, Estados Unidos, França, Gâmbia, Itália, Jordânia, Malta, Reino Unido, Senegal e Emirados Árabes Unidos.

Em março último, a Alemanha se absteve de votar a resolução da ONU sobre a Líbia e escolheu não se juntar à Otan nas operações de apoio aéreo aos rebeldes. No entanto, o ministro alemão da Defesa, Thomas de Maizière, disse recentemente que o país considera enviar tropas pacificadoras, caso Khadafi venha a deixar o poder.

CA/dpa/rtr/afp
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais