1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha reafirma engajamento na reconstrução do Afeganistão

Formação de instituições estatais, intensificação do combate ao narcotráfico e aumento da ajuda civil são alguns pontos da nova estratégia alemã para o Afeganistão. Retiradas das tropas alemãs do país ainda sem previsão.

default

Apesar da presença militar, alemães se concentrarão na reconstrução civil

O governo alemão apresentou, nesta quarta-feira (05/09), a sua nova estratégia para o Afeganistão, que prevê um maior engajamento alemão na região, onde o país pretende investir ainda mais em trabalhos civis.

Em 2008, Berlim pretende aumentar de 100 milhões para 125 milhões de euros a ajuda civil para o Afeganistão. Na próxima semana, a chanceler federal Angela Merkel informará os chefes das bancadas dos diversos partidos sobre a nova política para a região.

Em entrevista à televisão alemã, Franz Josef Jung, ministro alemão da Defesa, descartou o deslocamento de tropas alemãs do relativamente seguro norte afegão para o turbulento sul do país. Em outubro próximo, o Parlamento alemão decidirá sobre a prorrogação da presença das tropas alemãs no Afeganistão.

Retirada das tropas

Tornado Kampfflugzeug in Afghanistan

Bundeswehr e Tornados em um só mandato

Segundo a proposta alemã, a formação de instituições estatais e o combate ao narcotráfico deverão ser intensificados. A Alemanha deverá ainda desempenhar o papel principal na formação de professores. Frank-Walter Steinmeier, ministro alemão das Relações Exteriores, salientou que os afegãos precisam do apoio internacional para que, futuramente, tornem-se responsáveis por sua segurança. "Isto não é possível sem ajuda militar", afirmou Steinmeier.

O ministro disse ainda que o governo alemão pretende reforçar a ajuda para a formação de militares e policiais afegãos. Para o governo de Berlim, a constituição de órgãos de segurança é condição fundamental para a retirada das tropas. Quanto à presença militar alemã na região, o documento apresentado nesta quarta-feira não é objetivo.

Merkel e Steinemeier

ISAF-Soldat der deutschen Bundeswehr in Afghanistan

Merkel ressaltou importância da participação alemã na Isaf

Entrou-se em acordo, no entanto, quanto à junção dos mandatos das Forças Armadas Alemãs (Bundeswehr) e a mobilização de aviões Tornados no Afeganistão. O número máximo de soldados alemães que podem ser enviados ao país continua em 3,5 mil. Quanto à participação alemã na tropa de combate ao terrorismo OEF ( Operation Enduring Freedom ), o governo só se pronunciará após a aprovação de dois de três mandatos do Afeganistão, em 19 de setembro próximo.

Thomas Steg, porta-voz do governo, enfatizou que o ponto principal do engajamento alemão estaria, claramente, na reconstrução civil. Neste contexto, Steinmeier anunciou uma "ofensiva civil" para o Afeganistão. Para o ministro, a ajudar militar é necessária, mas não é capaz de combater o terrorismo, a criminalidade e a corrupção de forma duradoura.

Em entrevista, Merkel reafirmou a importância da atuação da Bundeswehr na Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf). A atuação das Forças Armadas deverá durar ainda muitos anos, afirmou Merkel, lembrando que os atentados de 11 de Setembro de 2001 aconteceram quando havia falta de estruturas estatais no Afeganistão. (ca)

Leia mais