Alemanha quer regular mercado de alimentos análogos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 16.07.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha quer regular mercado de alimentos análogos

Ao comprar uma pizza, salada pronta ou um pacote de bolachas, o consumidor pode estar levando pra casa um produto que imita os ingredientes autênticos. Para evitar abusos, governo alemão vai criar regras para o setor.

default

Autêntico ou análogo?

Nas prateleiras dos supermercados, eles se misturam aos alimentos preparados com ingredientes autênticos. Produtos alimentícios que usam extratos imitando o sabor e a aparência de ingredientes como queijo, presunto e chocolate passam quase despercebidos pelos consumidores.

A Alemanha debate agora formas de aumentar o rigor no mercado de alimentos análogos. Para a ministra alemã de Defesa do Consumidor, Nutrição e Agricultura, Ilse Aigner, informações enganosas e ambíguas nos rótulos de alimentos precisam ser levadas mais a sério. Nesta semana, o ministério alemão anunciou que planeja tornar mais rígidas as regras de identificação dos alimentos.

Guerra de preços incentiva análogos

Para Gert Lindemann, vice-ministro alemão que participou recentemente de um encontro com os ministros da Agricultura de países da União Europeia, um dos principais problemas para o consumidor é a dificuldade de reconhecer se os ingredientes são originais ou análogos.

Na hora de escolher uma pizza, por exemplo, o consumidor não consegue distinguir se o queijo ou o presunto são, de fato, genuínos. Ou se o aroma contido no iogurte é mesmo natural.

Na maioria das vezes esses produtos são mais baratos, sendo preparados à base de goma espessante, água, gordura vegetal, aroma e corante.

No ano passado, Aigner já havia tentado chegar a um acordo com a indústria alimentícia sobre essa questão, mas sem sucesso. "Para mim, o uso de análogos também está relacionado à guerra de preços", disse em entrevista ao jornal Passauer Neue Presse .

Difícil de desvendar o rótulo

Seniorin in einem Supermarkt in Österreich

Informação sobre origem do produto deverá ser estampada no rótulo

Para prevenir quem vai às compras, a Central de Defesa do Consumidor de Hamburgo publicou uma lista na internet com as imitações mais comuns. O órgão adverte que, para se certificar da qualidade de um produto, o consumidor deve ler com atenção o rótulo que lista os ingredientes.

Se um alimento indica que é "preparado com queijo", por exemplo, o consumidor pode partir do pressuposto de que se trata de uma mistura de queijo e análogo. A mesma recomendação vale para bolachas recheadas; muitas vezes, o "recheio de chocolate" não passa de uma massa de açúcar e aromatizante.

Higiene é única restrição

As leis da União Europeia não fazem restrições à venda de alimentos análogos. No geral, eles podem ser comercializados, contanto que sigam as instruções de higiene.

Segundo especialistas, esse tipo de alimento não é prejudicial à saúde. No entanto, por não informarem claramente que os ingredientes são de qualidade inferior, prejudicam a relação de confiança entre a marca e o consumidor.

NP/dpa/afp

Revisão: Simone Lopes

Leia mais