Alemanha quer aproveitar potencial da terceira idade | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha quer aproveitar potencial da terceira idade

A geração mais velha tem potencial que vale ouro, afirma ministra alemã da Família. Projetos do governo e da iniciativa privada rompem barreira entre gerações, aproveitando o potencial dourado da "geração prateada".

default

Potencial da 'geração prateada' vale ouro, diz ministra

Através de diversos projetos, governo, população e iniciativa privada alemães tentam vencer as dificuldade resultantes da inversão da pirâmide demográfica.

Em Bonn, antiga capital da Alemanha Ocidental, foi inaugurado um conjunto habitacional onde diferentes gerações podem dividir o mesmo teto. Firmas alemãs como a Audi valorizam cada vez mais a experiência de seus funcionários mais velhos.

Enquanto o governo do país acaba de lançar iniciativa para aproveitamento do potencial de trabalho de aposentados, a iniciativa privada descobre cada vez mais seu potencial econômico.

Um em cada três euros

Hoje, na Alemanha, um em cada três euros é gasto por pessoas acima de 60 anos. Estas também são responsáveis pela compra de 80% dos automóveis mais caros. Metade dos cidadãos acima de 50 anos está ativa no mercado de trabalho, revertendo uma tendência de anos.

"A geração mais velha tem um potencial que vale ouro", afirmou a ministra alemã da Família, Ursula von der Leyen, ao apresentar seu programa de incentivo ao trabalho voluntário da terceira idade, na quarta-feira (02/04) em Berlim. A ministra reclamou, no entanto, que o potencial econômico da "geração prateada", forma como ela se refere à terceira idade, seria pouco explorado.

Aumentando a oferta para os acima de 60 anos que queiram prestar serviços à comunidade, Von der Leyen lançou programa de incentivo de 22,5 milhões de euros para o financiamento de projetos através dos quais idosos poderão prestar serviços voluntários de oito a 20 horas semanais durante pelo menos seis meses.

Ápice de rendimento

Senioren testen Produkte auf ihre Alltagstauglichkeit

Senhores tem grande poder de compra

Também na iniciativa privada, a política de aproveitamento dos mais velhos tem mudado. Na Audi, por exemplo, formam-se grupos de trabalho conforme a idade. Pessoas com mais de 40 ou 50 anos são chamadas, propositalmente, para posições de liderança.

O fabricante de automóveis constatou que, em 2015, um terço de seus empregados terá mais de 50 anos. Para a diretoria, somente após 20 a 25 anos de experiência profissional, um operário atinge seu ápice de rendimento.

O poder de compra da "geração prateada" já foi descoberto por firmas, como uma filial da loja de departamento Kaufhof, em Dortmund, onde porteiros saúdam velhos e novos. Desfiles de moda abrangem a geração de 20 a 70 anos. Em suma, a separação entre jovens e velhos é abolida.

Necessidade de trabalhar

Por outro lado, os cidadãos mais velhos aposentados dispostos a se engajar teriam dificuldade de encontrar um trabalho adequado. Um em cada três senhores assumiria uma atividade se achasse a respectiva oferta, afirmou Von der Leyen.

Rentner auf einer Bank Kabinett Rente

Von der Leyen: idosos poderiam render muito mais

"Muitas das pessoas mais velhas têm profunda necessidade de produzir coisas que ficam e querem exercer atividades também fora do próprio ambiente familiar", afirmou a ministra, acrescendo que os senhores da terceira idade esperariam apenas poder assumir mais responsabilidades, mas que precisariam também receber impulsos da sociedade. Prefeituras, iniciativas e associações filantrópicas necessitariam urgentemente tal ajuda que hoje é difícil de encontrar.

O programa governamental de serviço voluntário funcionará através da web. Uma página de internet implementada pelo governo regulamentará oferta e procura dos serviços voluntários entre os senhores e as diversas prefeituras e associações.

Para o jornal Süddeutsche Zeitung, no entanto, por trás da iniciativa da ministra estariam interesses políticos. Num ano eleitoral, a política dirige os rumos do Estado, afirmou o jornal. Desta forma, não é surpresa que o governo dê mais atenção aos seus eleitores, que estão ficando cada vez mais velhos.

Leia mais