1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha proíbe organização radical islâmica

Em ações simultâneas em sete estados alemães, governo e Justiça desmantelaram a maior organização radical islâmica existente no país – Estado Califa. A medida faz parte da luta antiterror.

default

Polícia evacua sede da organização Estado Califa, em Colônia

Mais de 1.150 policiais participaram das ações simultâneas em sete estados da Alemanha, na manhã desta quarta-feira, que desmantelaram as estruturas da organização radical islâmica Estado Califa, sua fundação "Servos do Islã" e 19 sub-organizações.

A proibição do grupo extremista com cerca de 1.100 membros em todo o país faz parte da luta contra o terrorismo internacional. A medida tornou-se possível com a eliminação do privilégio de religião no direito de associação, no contexto do pacote de medidas antiterror recém-aprovado pelo Parlamento em Berlim. A ação policial compreendeu buscas em 212 instalações e o fechamento de quatro mesquitas.

Num ato contínuo à proibição da organização vista como uma ameaça à segurança da Alemanha, o ministro do Interior, Otto Schily, anunciou que o seu líder Metin Kaplan pode ser repatriado, imediatamente, para a Turquia. Mas para isso o governo alemão quer obter de Ancara uma promessa de que o chamado "Califa de Colônia" não será executado, nem torturado. Kaplan e a " Estado Califa " , que herdara do seu pai falecido em 1995, pregam a destituição do Estado laico turco e a criação de uma teocracia na Turquia, semelhante ao regime do Irã. Por isso, é tido como certo que ele será condenado a morte se retornar para a Turquia.

Pena confirmada - Horas após o golpe de misericórdia na organização radical islâmica, o Tribunal Superior de Düsseldorf confirmou a pena de quatro anos de prisão a que Kaplan fora condenado como mandante do assassinato de um rival na luta pelo poder, Halil Ibrahim Sofu. Depois que o "Califa de Colônia" baixou o decreto "fetwa", o seu rival igualmente turco foi assassinado por três desconhecidos, em 1997, diante da filha menor, na sua residência em Berlim.

O Tribunal rejeitou o pedido de revisão do processo apresentado pelos advogados de Kaplan. Este já cumpriu um terço da pena e, teoricamente, poderia ser colocado em liberdade condicional ainda este ano. A Justiça decidiu, todavia, mantê-lo na prisão, atendendo interesses de segurança nacional, quando avaliou, no mês passado, notícias de que o radical islâmico teria se distanciado do terrorismo.

A situação de Kaplan piorou depois de provado que uma delegação sua encontrou-se com Osama Bin Laden, no Paquistão, em 1997. O porta-voz da organização "Estado Califa", agora clandestina, alegou que foi acidental o encontro com o suposto responsável pelos atentados de 11 de setembro, em Nova York e Washington.