Alemanha prevê deixar o Afeganistão a partir do final de 2011 | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 12.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha prevê deixar o Afeganistão a partir do final de 2011

Governo alemão decide prorrogar o mandato da missão militar no Afeganistão por mais um ano e pela primeira vez define uma data para iniciar a retirada das tropas, mas apenas "caso as condições de segurança permitam".

default

Soldados alemães devem estar de volta até o final de 2014

O governo da Alemanha aprovou um novo mandato para prolongar por mais um ano a missão do Exército alemão no Afeganistão. O texto aprovado nesta quarta-feira (12/1) pelo gabinete de governo da chanceler federal Angela Merkel não estabelece uma data exata para a retirada dos primeiros soldados alemães estacionados no Afeganistão, embora mencione a intenção de iniciar a retirada ainda no final de 2011.

A decisão será submetida à votação no Bundestag (câmara baixa do Parlamento) no dia 28 de janeiro, onde uma aprovação é tida como certa. Os social-democratas, principal força da oposição, já anunciaram que irão votar a favor. A intenção do governo é que, até 2014, todas as tropas de combate alemãs tenham deixado o país asiático.

Número dos primeiros a retornar ficou em aberto

O documento deixa em aberto com quantos soldados deverá ser iniciada a retirada alemã. O mandato só prevê uma "redução gradual". O atual contingente alemão no Afeganistão é de cerca de 4,6 mil soldados.

A discussão abordando a fixação ou não de um prazo para o começo da retirada das tropas gerou tensões entre o ministro da Defesa, Karl-Theodor zu Guttenberg, contrário à fixação de uma data, e o ministro do Exterior, Guido Westerwelle, que pressionou por um calendário concreto para pôr um fim na controversa missão militar no Afeganistão.

Bundeswehr Haushalt

Guttenberg condena uma "retirada precipitada"

Após negociações entre ambos, o documento final assinala que o governo "espera poder reduzir a presença das forças alemãs a partir do final de 2011". No entanto, o prazo está sujeito a certas condições preliminares.

Solução de consenso

Segundo o documento, a retirada será iniciada "caso as condições locais de segurança a permitam". A formulação foi uma solução de consenso encontrada entre Westerwelle e Guttenberg.

Enquanto Westerwelle queria a menção de uma data, Guttenberg insistia na menção de condições específicas para a retirada das tropas. Nos últimos dias, o ministro da Defesa alertou diversas vezes para os perigos do que chamou de uma "retirada precipitada".

O ministro do Exterior negou que haja um conflito entre ele e seu colega da pasta da Defesa e defendeu seu ponto de vista. "Se não planejamos como prosseguir na construção do futuro do Afeganistão, então corremos o risco de não criarmos a pressão, por exemplo, para que o governo afegão faça de tudo para melhorar a situação", ressaltou Westerwelle em entrevista à TV alemã.

Em 2010 morreram no Afeganistão mais soldados estrangeiros do que em qualquer outro ano desde a queda do regime talibã, em 2001. Até agora, 45 soldados alemães foram mortos no Afeganistão. Ao todo, cerca de 150 mil soldados de forças internacionais ainda estão no país.

MD/dpa/rtrs
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais