Alemanha prende suspeito de pedir 180 mil euros ao EI | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 02.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha prende suspeito de pedir 180 mil euros ao EI

Segundo autoridades, sírio teria pedido dinheiro ao "Estado Islâmico" para executar ataques com carros-bomba em cidades da Alemanha e de países vizinhos. Homem, de 38 anos, nega planos terroristas.

A polícia alemã prendeu na cidade de Saarbrücken um sírio de 38 anos, que estaria planejando atentados com carros-bomba em diversas cidades alemãs e em países vizinhos, afirmou nesta segunda-feira (02/01) a promotoria pública.

O suspeito, detido no sábado, teria pedido 180 mil euros ao grupo terrorista "Estado Islâmico" (EI). Ao prestar depoimento, ele admitiu ter feito contato com o grupo, mas negou ter a intenção de cometer atentados. Ele disse às autoridades que, com o dinheiro, pretendia ajudar a família que vive em Damasco.

A polícia chegou ao sírio após a denúncia de um informante. O suspeito foi detido durante uma operação de busca em sua casa. No dia seguinte, um juiz determinou a prisão preventiva, com base na acusação de financiamento do terrorismo.

Na residência do suspeito, os investigadores encontraram o celular usado na comunicação com o EI. Pelo Telegram, o sírio trocou várias mensagens com um possível integrante do "Estado Islâmico", que poderia conseguir dinheiro para a realização de ataques. O sírio pediu ao grupo 180 mil euros.

Com esse dinheiro, ele pretendia comprar oitos carros e cerca de 500 quilos de explosivos por veículo para atentados suicidas em Berlim, Munique, Stuttgart, Essen, Dortmund, além de alvos na França, Bélgica e Holanda. O suspeito afirmou ao contato que o custo de cada carro para ataque era de 22,5 mil euros.

De acordo com as mensagens, os veículos seriam explodidos em meio a multidões para matar um grande número "de não muçulmanos".

Os investigadores afirmaram que não há nenhum indício de que o sírio chegou a receber o dinheiro pedido. Segundo o presidente da polícia do estado de Sarre, Hugo Müller, é difícil acreditar que um homem, que nas trocas de mensagens forneceu seu nome e endereço, quisesse dar um calote no EI.

O suspeito afirmou ser de Damasco, onde trabalhava como cabeleireiro. Segundo autoridades, ele chegou à Alemanha em dezembro de 2014, pela rota dos Bálcãs, e teve seu pedido de refúgio aprovado. Antes de se mudar para Saarbrücken, ele viveu em Gießen e Frankenberg.

CN/epd/dpa/lusa/afp

Leia mais