Alemanha perde competitividade | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 31.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha perde competitividade

País deixa de estar entre as dez nações com melhores condições econômicas, segundo ranking de escola de negócios suíça. O Brasil, na 57ª posição, entre 61 países, tem a pior colocação desde o início das avaliações.

A Alemanha não está mais entre as dez economias mais competitivas do mundo, segundo o ranking anual da escola negócios suíça Instituto Internacional para o Gerenciamento do Desenvolvimento (IMD). Conforme o estudo, divulgado nesta segunda-feira (30/05), o país caiu da 10ª para a 12ª posição.

"Isso ocorreu, sobretudo, devido a uma pior avaliação do governo e do desempenho econômico", explicou o diretor do IMD Arturo Bris.

Para o estudo, o IMD entrevistou 5,4 mil empresários, que avaliaram 342 critérios. O quesito competitividade se refere à força das empresas nacionais para vender seus produtos internacionalmente. Há dois anos, os alemães ocupavam a sexta posição no ranking. "O maior perigo para a Alemanha é a complacência", observou Bris. "Se conseguir domá-la, [o país] deverá voltar ao top ten."

À frente da Alemanha na Europa estão países como Suécia, Dinamarca, Holanda, Irlanda e Noruega. Entre os que ganharam força estão a Letônia (37º), Eslováquia (40º) e Eslovênia (43º).

Os Estados Unidos perderam a primeira posição no ranking, caindo para o terceiro lugar, atrás de Hong Kong e Suíça.

Segundo a Universidade de Lausanne, há algumas semelhanças entre os dez primeiros países do ranking. Todos possuem regulamentações favoráveis aos negócios, boa infraestrutura e instituições eficientes. "Essas qualificações estão sendo cada vez mais reconhecidas no Leste Europeu". Nessa região, a República Tcheca (27º) é a mais competitiva.

A Alemanha, porém, aparece no ranking à frente da França (32º), Espanha (34º) e Itália (35º). O estudo também aponta uma queda na competitividade nos países asiáticos, com a exceção de Hong Kong e Singapura. Países como a Malásia, Taiwan, Coreia do Sul e Indonésia perderam posições.

Na América do Sul, o Chile (36º) é o país com melhor índice de competitividade. O Brasil está na 57ª posição entre os 61 países avaliados, a pior colocação desde o início das avaliações do IMD, em 1989, sendo ultrapassado pela Argentina (55º).

RC/dpa/rtr/ots

Leia mais