Alemanha pede fim da violência na Ossétia do Sul | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 08.08.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha pede fim da violência na Ossétia do Sul

Políticos de todos os partidos são unânimes no rechaço ao conflito no Cáucaso e em pedir solução pacífica. Ministro das Relações Exteriores interrompeu suas férias e regressou a Berlim.

default

Escalada do conflito entre Geórgia e Rússia preocupa políticos alemães

O governo alemão exortou as partes conflitantes na Ossétia do Sul à prudência e à moderação. A chanceler federal Angela Merkel pediu a suspensão imediata de toda violência, declarou o vice-porta-voz da Chancelaria, Thomas Steg. A chefe de governo, que está de férias, pediu para ser constantemente informada a respeito do conflito, acrescentou Steg.

Comunciado de Steinmeier

Já o ministro das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, interrompeu suas férias e regressou a Berlim. Em comunicado divulgado na capital alemã, o ministro acentua a necessidade de romper a espiral de ameaças recíprocas e de violência.

"Apelo às partes para empreender imediatamente um diálogo direto", consta do comunicado. Todos os envolvidos precisam abdicar de agravar ainda mais as tensões por meio da retórica e de acusações mútuas, acrescentou.

Aussenminister Steinmeier gibt ein Statement zu den Ereignissen in Georgien

Ministro Frank-Walter Steinmeier vê-se confirmado em seus empenhos por solução pacífica no Cáucaso

A escalada da situação na Ossétia do Sul confirma os empenhos do governo alemão em prol de uma reativação das negociações para a solução do conflito na Abkházia, declarou Steinmeier. Também neste caso, acrescentou, a continuada falta de diálogo implica "um risco incalculável de que a situação extrapole".

O ministro alemão esteve há apenas três semanas na região, onde apresentou um plano em três passos para a solução pacífica do conflito da Abkházia que, da mesma forma que a Ossétia do Sul, pretende se tornar independente da Geórgia.

Consenso suprapartidário

Representantes de todos os partidos políticos manifestaram em Berlim igualmente preocupação com o conflito e exigiram um fim dos combates. O vice-líder da bancada social-democrata no Bundestag (câmara baixa do Parlamento), Walter Kobow, apelou pela interrupção da nefasta espiral de violência e por uma solução não militar do conflito.

O especialista em política externa da União Social Cristã (CSU), Karl-Theodor zu Guttenberg, disse ser preciso ter a esperança de que o presidente russo Dimitri Medvedev aja de forma mais prudente que seu antecessor, Vladimir Putin. A retórica de guerra do atual primeiro-ministro da Rússia é insuportável, acrescentou.

Michael Link, especialista em Cáucaso do Partido Liberal, declarou que todos os envolvidos, com sua obstinação, têm culpa na escalada da situação: russos, georgianos e sul-ossetianos.

Rainder Steenblock, do Partido Verde, pediu um cessar-fogo imediato e a intervenção do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Uma reconquista da região por meio da violência pelas tropas georgianas é inaceitável. Tampouco a Rússia pode intervir militarmente em apoio aos separatistas sul-ossetianos, acrescentou. É preciso evitar uma guerra por todos os meios, enfatizou o político verde.

Leia mais