1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha oferece alfabetização online

Dos cerca de quatro milhões de analfabetos alemães, apenas 20 mil freqüentam os cursos oferecidos pelo governo. Neste Dia Internacional da Alfabetização, a Alemanha lança um novo programa: o aprendizado pelo computador.

default

Campanha do jornal 'Frankfurter Rundschau', com letras misturadas

Há cerca de 4 milhões de analfabetos na Alemanha. Para a grande maioria deles, o mais difícil é assumir sua condição: apenas 20 mil freqüentam os cursos oferecidos pelo governo alemão. Para que essas pessoas possam aprendam a ler e escrever sem constrangimento, a Alemanha lança neste Dia Internacional da Alfabetização (8/9) um novo projeto.

Trata-se do portal Apoll – "Alfa-Portal Literacy Learning", financiado pelo Ministério alemão da Educação e Pesquisa. Segundo Christian Fiebig, coordenador do projeto, "o maior problema de um analfabeto é assumir sua condição perante os outros e freqüentar um curso. Com o portal de aprendizagem eletrônica, eles agora podem aprender anonimamente".

No futuro, o portal deverá conter cerca de 17 mil exercícios, entre os quais o usuário poderá escolher para montar seu próprio curso. O primeiro passo que os interessados têm de tomar é gravar o endereço www.ich-will-schreiben-lernen.de em seu navegador, para não ter que digitá-lo a cada nova visita. Lá esses são guiados por um programa especial, que lê em voz alta todos os textos clicados.

Programa exige autodisciplina

Os usuários devem fazer uma auto-avaliação e depois um teste de nivelamento. Cada participante recebe então um programa semanal e já pode começar o curso imediatamente. Os primeiros exercícios misturam figuras e tarefas orais. O programa também pergunta ao usuário qual seu objetivo: aprender a lidar com instituições, ler livros ou apenas realizar pequenas tarefas cotidianas.

A experiência mostra, segundo o coordenador Fiebig, que lidar com o computador não é problema. "O computador e especialmente a Internet são mídias novas, às quais nosso público alvo tem se mostrado bem aberto. Assim eles também têm a possibilidade de definir eles próprios a velocidade do aprendizado e os intervalos de tempo necessários." Mas ele alerta: o aprendizado em casa exige muita autodisciplina. Por isso, os especialistas do Apoll aconselham paralelamente a visita a um curso tradicional.

A proporção de homens e mulheres entre os interessados, conta Fiebig, mantém-se equilibrada. A maioria tem entre 30 e 45 anos. "Nessa faixa etária, o sofrimento em virtude do analfabetismo aumenta, pois eles não se desenvolvem profissionalmente e não conseguem acompanhar o progresso escolar dos filhos", explica. "Também sabemos que o analfabetismo causa solidão" – o índice de solteiros entre o público alvo é de 51%.

Repercussão internacional

O Instituto alemão para Cooperação Internacional (IZ), em Bonn, já avalia a possibilidade de oferecer programas de avaliação pela Internet a países em desenvolvimento. A Índia, por exemplo, já se mostrou interessada em desenvolver um sistema semelhante. No futuro, o Apoll terá também um curso de língua alemã para estrangeiros que não saibam ler ou escrever em sua língua materna. Talvez seja esta a contribuição da Alemanha para a Década Mundial da Alfabetização, proclamada pela ONU em 2003.

Leia mais