1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha ocultou de aéreas risco de voar na Ucrânia

Três aviões da Lufthansa sobrevoaram leste ucraniano pouco antes de o voo MH17 ter sido derrubado. Governo alemão sabia dos riscos e não informou companhias aéreas, afirmam jornal e emissoras.

default

Destroços do MH17 em julho de 2014. Avião foi abatido em região controlada pelos separatistas ucranianos

O governo da Alemanha havia sido informado, em julho de 2014, sobre o risco que o leste da Ucrânia apresentava para aviões de passageiros e não repassou a informação para as companhias aéreas alemãs, noticiaram nesta segunda-feira (27/04) o jornal Süddeutsche Zeitung e as emissoras NDR e WDR.

Segundo a denúncia, que se baseia em documentos internos do Ministério do Exterior da Alemanha, diplomatas alemães avaliaram a situação no leste ucraniano como preocupante depois de um avião militar Antonov, da Ucrânia, ter sido abatido a mais de 6 mil metros de altura.

Segundo eles, isso criou uma situação nova na região. Especialistas avaliam que, quando um avião é abatido a essa altura, alvos ainda mais distantes podem ser atingidos, o que representa sérios riscos para a aviação civil. Também o serviço secreto alemão, o BND, teria alertado o governo para os riscos que a região oferecia para a aviação civil.

Flugabwehrraketensystem Buk

Sistema de defesa antiaérea Buk, de fabricação russa, teria abatido o avião da Malaysia Airlines

Em 17 de julho de 2014, um avião da Malaysia Airlines que fazia o voo MH17 foi derrubado no leste da Ucrânia. Todas as 298 pessoas a bordo morreram. Nesse mesmo dia, três aviões da Lufthansa sobrevoaram a região, um deles apenas 20 minutos antes do MH17.

Normalmente, as empresas aéreas precisam ser imediatamente informadas sobre mudanças nas condições de segurança de uma região. Essa tarefa costuma estar a cargo do Ministério dos Transportes da Alemanha. Mas, nesse caso, as companhias foram informadas apenas depois da queda do MH17.

A Lufthansa afirmou não ter sido informada pelo governo antes do dia 17 de julho e que, se soubesse da situação de segurança, teria alterado suas rotas imediatamente.

As investigações da equipe de jornalistas também concluíram que o avião da Malaysia Airlines foi derrubado por um míssil terra-ar do sistema de defesa antiaérea Buk M1, de fabricação russa. O disparo teria sido efetuado do território controlado pelos separatistas. As investigações oficiais ainda estão em andamento, lideradas por especialistas holandeses. A maioria das vítimas é holandesa.

AS/dpa/afp/ots

Leia mais