1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha mediou troca entre Israel e Hizbollah

O Aeroporto de Colônia foi palco da troca de presos entre Israel e o Líbano. A Alemanha mediou a troca de um empresário e os corpos de três soldados israelenses por mais de 400 árabes da milícia Hizbollah.

default

Xeque Mustafá Dirani (centro) desembarca em Colônia

Após três anos de negociações mediadas pela Alemanha, foi realizada nesta quinta-feira (29/01) a troca de prisioneiros entre Israel e a milícia libanesa Hizbollah no aeroporto de Colônia, no oeste do país. Sob muita neve e acompanhados por um rígido esquema de segurança, os aviões das forças aéreas alemã e de Israel pousaram na área militar do aeroporto poucos minutos após as sete horas da manhã, vindos de Beirute e Tel Aviv.

A bordo de um deles estavam mais de 30 árabes de várias nacionalidades. No outro, os corpos de três soldados israelenses mortos no sul do Líbano e o empresário Elchanan Tennenboim, seqüestrado pelo Hizbollah em outubro de 2000, em Beirute. Na quarta-feira, já havia chegado uma equipe israelense, constituída de um rabino militar e patologistas, para a identificação dos corpos. Somente depois da confirmação da identidade dos mortos foi permitido aos árabes sair da aeronave israelense, para serem transportados a Beirute num avião da Bundeswehr (Forças Armadas alemãs).

Entre os árabes há dois conhecidos líderes xiitas: xeque Abdul Karim Obeid e Mustafá Dirani. Um dos prisioneiros trocados foi o alemão Steven Myrek, que estava preso em Israel. Ele havia se convertido ao islã. Em 1999, foi condenado a dez anos de prisão por um tribunal israelense, sob a acusação de ter preparado um atentado suicida. Recentemente, Myrek anunciou numa entrevista que pretende se filiar ao Hizbollah. Contatos também com o Irã

Uhrlau vermittelt Gefangenenaustausch Israel Hisbollah

Ernst Uhrlau mediou as negociações

A operação, que se desenrola sem o acesso da imprensa, não acontece apenas em solo alemão. Outros 400 palestinos serão libertados, paralelamente, na Faixa de Gaza e na Cisjordânia. Além disso, Israel se prontificou a transladar os corpos de 60 guerrilheiros do Hizbollah enterrados em seu território.

Em contrapartida, nos próximos dois meses, a milícia libanesa pretende apurar o paradeiro de soldados israelenses desaparecidos desde a Guerra no Líbano. Entre estes, estão o co-piloto israelense Ron Arad, sumido em 1986 no Líbano. Israel crê que ele esteja preso no Irã, o país que sustenta a milícia libanesa. Desde quarta-feira, uma delegação iraniana está em Beirute para esclarecer o caso Arad.

Também o coordenador do serviço secreto alemão, Ernst Uhrlau, responsável pela mediação entre Israel e Líbano, teria mantido contatos com as autoridades em Teerã nos últimos tempos. Esta não é a primeira vez que a Alemanha media uma ação destas, já que o país mantém boas relações com todos os envolvidos no conflito do Oriente Médio.

Leia mais