Alemanha julga jovem por crimes de guerra na Síria | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 02.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha julga jovem por crimes de guerra na Síria

Pela primeira vez, um tribunal do país delibera sobre crimes de guerra praticados por alemão que se juntou a extremistas islâmicos: acusado posou para fotos com cabeças cortadas e as postou no Facebook.

Radicais do Estado Islâmico na Síria: Alemanha tem mais de cem processos ligados a extremistas

Radicais do "Estado Islâmico" na Síria: Alemanha tem mais de cem processos ligados a extremistas

Pela primeira vez, uma pessoa que retornou da Síria à Alemanha vai responder na Justiça por crimes de guerra. De acordo com a acusação, o cidadão alemão Aria L. viajou no início de 2014 ao país árabe para se juntar a extremistas islâmicoss e teria sido treinado com armas e participado da luta armada contra o regime do ditador Bashar al-Assad.

A acusação se concentra em um fato: em meados de abril de 2014, o jovem, de 21 anos, posou para fotos perante as cabeças cortadas de duas pessoas e, em seguida, as publicou no Facebook. As cabeças foram colocadas sob barras de metal e apresentadas como troféus.

Segundo a Procuradoria-Geral da Alemanha, Aria L. tratou de forma gravemente degradante e humilhante pessoas protegidas pelo direito internacional humanitário. Por essas razões, o órgão o acusou de crimes de guerra. O processo tem início nesta terça-feira (03/05), no Tribunal Regional de Frankfurt.

Muitas informações sobre o acusado ainda não são conhecidas. Segundo relatos da mídia, ele teria se radicalizado na região do Reno-Meno – um dos centros do salafismo na Alemanha. E, depois, fez uma peregrinação à Meca, mudou de nome e, então, realizou uma viagem para aderir à jihad – um padrão já conhecido pelas autoridades.

"A cena salafista sabe como abusar dos jovens", afirma Thomas Mücke, chefe da Violence Prevention Network, associação que apoia pais cujos filhos se radicalizaram e trabalha com os jovens que retornaram da Síria. "A maioria é recrutada pelos amigos de mesma idade. Eles estão em busca de apoio, orientação e comunidade. E tudo isso eles acreditam encontrar nos extremistas", afirma.

Sangue nas mãos?

Quando chegam à guerra civil, muitos deles experimentam então um choque de realidade. A pressão por obediência é enorme. Mas Mücke também alerta: "Quem cometeu na Síria graves atos de violência já era, antes da viagem, violento."

Porém, provar quais pessoas retornaram da região com "sangue nas mãos", como formulou o procurador-geral Peter Frank, é extremamente difícil. Segundo ele, o problema consiste em obter evidências da zona de guerra síria.

No momento, quatro unidades da Procuradoria-Geral da Alemanha cuidam de casos de alemães jihadistas na Síria. Os primeiros julgamentos já ocorreram, mas só neste ano a onda de processos pôde de fato avançar.

Atualmente, cerca de 130 processos tramitam contra cerca de 200 acusados. Até agora, a maioria dos casos é de acusações por causa de associação e apoio a uma organização terrorista. O Departamento Federal de Investigações (BKA, serviço secreto alemão) investiga 13 possíveis casos de crimes de guerra.

À espera de mais processos

"Se houver evidências de crimes de guerra, a Justiça alemã tem que julgar", afirma o especialista em direito internacional Christian Tomuschat, acrescentando que é absolutamente indiferente se o acusado é um cidadão alemão e o local da realização do crime. Tais processos – como contra os crimes de guerra na África – não são um território novo para os juristas alemães.

"Porém, esses processos são complicados e difíceis", afirma Tomuschat. "Eles sobrecarregam a administração da Justiça." Isso porque as testemunhas precisam ser levadas das zonas de guerra à Alemanha, tradutores precisam ser contratados, e hotéis, reservados.

O jurista acredita ser extraordinária a acusação contra Aria L., que depois de seu retorno à Alemanha, em outubro de 2015, foi preso por uma unidade especial e, desde então, está sob custódia.

"Se posar perante cabeças cortadas de pessoas mortas já preenche a infração de um crime de guerra, é uma questão de interpretação", afirma o especialista em direito internacional.

Leia mais