Alemanha enfrenta o problema do desperdício de alimentos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 14.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha enfrenta o problema do desperdício de alimentos

Toneladas de alimentos na Alemanha acabam indo para o lixo. Ministra exige maior conscientização e volta do hábito de "comer o que sobrou", enquanto organização Foodwatch defende regulamentação do mercado de "junkfood".

O volume de alimentos jogados fora na Alemanha durante um ano daria para encher um comboio de caminhões entre o país e Novosibirsk, na Rússia, num percurso de 4.500 quilômetros. "Imagine se fosse um comboio de caminhões de ajuda humanitária, o quanto não se poderia combater com isso a fome no mundo", assinala Ilse Aigner, ministra alemã da Agricultura, Alimentação e Defesa do Consumidor, lembrando a insanidade do desperdício de alimentos no país, quando se depara com o problema global da fome.

No mundo, 900 milhões de pessoas passam fome. Ao mesmo tempo, 11 milhões de toneladas de alimentos são jogadas fora, anualmente, na Alemanha, sobretudo frutas, verduras e produtos de panificação. Este foi o resultado de uma pesquisa realizada pela Universidade de Stuttgart para o ministério alemão. "Este resultado é insuportável. O potencial que não usamos é grande demais", falou Aigner ao apresentar em Berlim o resultado da pesquisa na terça-feira (13/03).

"Temos a obrigação econômica, ecológica, mas também moral e ética de fazer algo contra isso", declarou a ministra. Mesmo que a Alemanha, em uma comparação internacional, ocupe uma posição relativamente boa quando o assunto é a conscientização a respeito do desperdício de alimentos. "Apesar disso, ainda estamos no começo", completa Aigner.

A atual pesquisa, ressalta a ministra, trouxe dados concretos e confiáveis. Até então, partia-se sempre de estimativas a respeito, que giravam em torno de um lixo alimentar entre 6,5 e 20 milhões de toneladas anuais. A Alemanha, além disso, pretende cumprir uma diretriz da União Europeia (UE), segundo a qual, até o ano de 2020, o chamado dejeto alimentar deverá ser reduzido à metade nos países do bloco.

Mais de 80 quilos por pessoa

Lebensmittel Müll Verbraucherministerin Ilse Aigner

Ilse Aigner, ministra alemã da Agricultura, Alimentação e Defesa do Consumidor

Do volume de alimentos jogados fora, 61% do total vêm de domicílios privados, ou seja, 6,7 milhões de toneladas. Isso signfica 81,6 quilos de alimentos descartados por pessoa anualmente. O estudo diz que 47% desse lixo poderiam ser totalmente evitados e outros 18% parcialmente evitados.

Aigner observa que desse percentual fazem parte diversos alimentos que ainda poderiam ser consumidos, mas acabam, ainda embalados, na lixeira, devido a uma compreensão errônea a respeito da data de validade dos mesmos.

Por isso, a ministra pretende ainda neste mês iniciar tanto uma plataforma na internet, quanto uma campanha de esclarecimento sob o título Bom demais para a lixeira. A ideia é conscientizar o consumidor para que não sejam atirados tantos alimentos nas latas de lixo orgânico ou simplesmente na lixeira comum.

Aquilo que se preza não se joga fora com tanta facilidade, explica Aigner o conceito da campanha. Um macarrão cozido em excesso, por exemplo, pode ser "reciclado" e usado no preparo de uma comida gostosa. "Aprendi isso com meus avós e pais", diz a política, que cresceu no interior do país, no estado da Baviera. "Posso disponibilizar com prazer algumas receitas", diz ela.

Legumes tortos também são gostosos

Lebensmittel Müll

Desperdício excessivo

Esta não é, contudo, uma solução política para o problema. E a ministra sabe obviamente disso. Sua ideia é criar um aliança maior entre os envolvidos no setor alimentício, que deverá se iniciar no fim deste mês de março. Além disso, ela combate normas de comercialização insensatas existentes no país, segundo as quais as frutas e verduras são estritamente dividas em categorias de aparência.

"Quem tem uma horta sabe que nem todas as maçãs e nem todos os pepinos são iguais", diz Aigner. E as "falhas" na aparência não deveriam servir de desculpa para descartar determinados alimentos. Esta é também a vez do consumidor não exigir apenas verduras "perfeitas". Neste sentido, a Alemanha ainda precisa, segundo a ministra, combater perante a UE diversas normas.

Outras iniciativas em planejamento

Cada cidadão pode prestar sua contribuição, fala Aigner. Além das residências particulares, outros grandes responsáveis pelo desperdício são consumidores de grande porte como restaurantes ou hospitais, com 17% do desperdício anual no país, ao lado das empresas (também 17%) e comércio (5%). E o setor agrícola deveria minimizar a parcela de perdas em armazéns e depósitos.

A Alemanha pretende combater o desperdício também através do ministro do Desenvolvimento e da Cooperação Econômica, Dirk Nebel, anuncia Aigner. "Nós aqui na Alemanha levamos a cabo um debate de luxo, porque nossa agricultura é calcada na alta tecnologia. Em muitos países em desenvolvimento, perde-se 40% da colheita, porque há problemas com o armazenamento ou com a tecnologia", explica a ministra.

Esclarecimento ou intromissão no mercado?

Wohlstandsmüll

Lixo 'de luxo': produtos de panificação

A opinião pública alemã divide-se quando o assunto são os alimentos. Alguns defendem a conscientização, outros uma regulamentação do mercado. Isso se reflete também na crítica do partido A Esquerda frente à conduta de Aigner em relação ao problema: "Em vez de buscar as razões do desperdício dos alimentos, a ministra joga a culpa nos consumidores", fala a política Karin Binder. "A principal razão do desperdício de alimentos é a concorrência avassaladora no setor, com preços baixíssimos, propaganda agressiva e mercadorias embaladas em formato gigante".

Em um estudo apresentado no mesmo dia pela organização de consumidores Foodwatch, a respeito de alimentos destinados a crianças, foram feitas críticas à política do governo de proteção ao consumidor. A Foodwatch examinou 1.500 alimentos destinados especialmente ao consumo infantil, detectando que 75% destes são doces demais ou têm gordura em excesso.

Segundo o estudo, as crianças são levadas – através da internet, de ações em escolas ou da publicidade – ao que se chama de junkfood. A razão disso, de acordo com a Foodwatch, é que os lucros da indústria alimentícia são muito mais altos com a venda de tais mercadorias do que com a de alimentos saudáveis como frutas, verduras e produtos integrais. Neste sentido, o Estado deveria organizar o mercado de outra maneira e não apenas apelar para que os pais assumam essa responsabilidade, diz a organização.

Autor: Kay-Alexander Scholz (sv)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais