1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemanha em recessão

A economia da Alemanha perdeu a dinâmica, com o PIB alemão recuando no terceiro e quarto trimestres de 2001. Os prognósticos para 2002 dos principais institutos de pesquisa econômica também não dão margem a otimismo.

default

Pátio da fábrica da Opel em Eisenach. A subsidiária alemã da GM é uma das empresas afetadas pela recessão

A Alemanha, segundo as projeções do Arquivo da Economia Mundial de Hamburgo (HWWA), está em último lugar na Europa em matéria de crescimento econômico. Para Thomas Straubhaar, presidente do HWWA, "não se trata de um problema conjuntural, mas de uma fraqueza permanente da economia alemã".

Esta fraqueza remonta a meados da década de 70, quando ocorreu uma ruptura no desenvolvimento político e econômico. Até então o motor do crescimento na Europa, a Alemanha passou a funcionar como um freio.

Globalização

A Alemanha não conseguiu fazer a transição da era industrial para a sociedade de informação, na opinião de Straubhaar. "Tanto o governo do chanceler Helmut Kohl (1982-1998) quanto o do atual chanceler Schröder não prepararam a Alemanha para a globalização. As reformas políticas, prometidas pela coalizão de social-democratas e verdes, não foram colocadas em práticas.

"O drama da Alemanha é que o impulso econômico tem de vir de fora, pois não temos força própria para relançar o crescimento", disse o presidente da HWWA. No momento, as perspectivas econômicas estão voltadas para o reaquecimento da conjuntura dos Estados Unidos e a política monetária do Banco Central Europeu. Ou seja, nada que dependa do próprio governo alemão.

Análises

Os prognósticos do HWWA para 2002 apontam que a Alemanha crescerá apenas 0,7%. Nos próximos anos, o instituto prevê um reaquecimento da conjuntura e um crescimento econômico entre 2 e 3 %.

Dados semelhantes foram divulgados pelo Instituto Alemão de Pesquisa Econômica (DIW) de Berlim. Seus prognósticos apontam um crescimento de apenas 0,6% em 2002, e de 2,1%, em 2003.

As exportações alemãs irão recuar no primeiro semestre do ano, recuperando-se a partir do segundo, graças ao reaquecimento da conjuntura nos Estados Unidos.

Tanto o HWWA quanto o DIW afirmam que o desemprego alemão continuará alto: entre 3,8 e 4 milhões de desempregados em 2002.

Links externos