1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

"Alemanha em piloto automático"

Muitos jornais interpretam resultados das eleições parlamentares regionais como confirmação da coalizão federal entre SPD e CDU, outros alertam para baixo comparecimento às urnas e relativização do discurso político.

default

Baixa participação: resignação e desinteresse

Nas capitais estaduais Magdeburg, Mainz e Stuttgart, e também na capital, Berlim, os partidos discutem os resultados das eleições parlamentares deste domingo (26/03). Os parceiros de coalizão no governo federal – CDU e SPD – vêem-se confirmados no governo e já avisaram que pretendem dar início a uma segunda fase de reformas.

Mas, embora 17 milhões de eleitores tenham ido às urnas no Estado de Saxônia-Anhalt, na Renânia-Palatinado e em Baden-Württemberg, houve pouca ou quase nenhuma surpresa. Os governadores de Baden-Württemberg, Günther Oettinger (CDU), e da Renânia-Palatinado, Kurt Beck (SPD), foram confirmados em seus cargos, e os democrata-cristãos continuam a maior força política na Saxônia-Anhalt, no Leste do país.

Surpreendente foi apenas o crescimento do índice de abstenção nos três Estados. Na Saxônia-Anhalt, por exemplo, a participação foi de apenas 44% dos eleitores – um recorde para eleições regionais alemãs.

Coalizão de governo confirmada?

"Os resultados serviram de confirmação à coalizão federal, que pode sentir-se eleita pela segunda vez", comentou o Berliner Zeitung. "Os cidadãos mostraram sua convicção quanto à aliança, mas também mostraram que esperam algo dela. Os claros resultados servem de preceito para que finalmente se comece a tratar de assuntos da política interna."

Mas o Frankfurter Allgemeine Zeitung alerta para o risco de conclusões apressadas. "Seria absolutamente equivocado interpretar a falta de tensão como um há muito esperado retorno da confiança dos alemães na política. Os baixos índices de comparecimento às urnas significam antes um sinal de resignação em relação a Berlim e de um crescente desinteresse pela política regional."

Resultados "válidos, porém irrelevantes"

Para o Spiegel Online, a baixa participação no pleito deste domingo teve parâmetros norte-americanos. Segundo o portal, "o trabalho da grande coalizão ainda não é visível e a política de centro parece aceitável só porque os índices de comparecimento às urnas caíram para níveis muito baixos. Há meses, o discurso político na Alemanha foi posto em piloto automático. (…) Por isso, os resultados são válidos, porém praticamente irrelevantes no âmbito político".

"O perdedor é antes de mais nada o debate público, o discurso político. O centro político só aparece como um suposto vencedor porque o ceticismo perante eleições democráticas cresceu na Alemanha. A disputa política entre os partidos e o acerto de contas foram adiados para depois do pleito. Isso é novidade: uma campanha política sem disputa política. Ao que parece, é o que os eleitores querem. Mas isso não é indício de um novo pragmatismo, e sim da crença em milagres."

Também para o jornal die tageszeitung, "eleitores e eleitoras deram – sacudindo os ombros? – a ordem: continuem assim, por enquanto. Não estamos deslumbrados, mas não vemos outra alternativa", escreve o diário de Berlim.

Tempo de reformas

Na Europa, as eleições regionais foram vistas como sendo "de importância nacional, apesar das poucas surpresas" ( Basler Zeitung). "Os bons resultados da CDU e do SPD em seus baluartes fortalecem o curso do governo e, com isso, a linha defendida pela chanceler federal Angela Merkel. Os parceiros de coalizão passaram pelo primeiro teste. Agora começa a segunda fase: SPD e CDU terão que encarar temas difíceis, como a reforma do setor de saúde", constatou o jornal suíço.

Reação similar veio de Madri. Para o jornal El País, "caso um dos dois partidos da coalizão tivesse sofrido um revés, isso teria gerado agitação, tensão e ciumeira na aliança de governo. Uma vez superadas essas eleições, a coalizão deveria cuidar com mais ímpeto das reformas – em sua maioria impopulares, porém absolutamente urgentes". Para o austríaco Salzburger Nachrichten, "o maior perdedor foi o Partido Liberal, que obteve a metade dos votos conquistados no pleito anterior na Saxônia-Anhalt" e agora deixa o governo, seguido pelo Partido de Esquerda, para quem o resultado significou "o fim do sonho de uma esquerda unificada em toda a Alemanha". Já o Partido Verde mostrou "que pode vencer eleições sem sua figura de proa, [o ex-ministro das Relações Exteriores] Joschka Fischer".

Leia mais