1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha e Polônia buscam reaproximação

Futura constituição européia, transição no Iraque e criação de um centro contra o desterro fazem parte do encontro teuto-polonês, no estádio do Schalke.

default

Schröder: abrandar ceticismo de Miller

O centro de congressos do estádio de futebol AufSchalke, em Gelsenkirchen, local do encontro entre os chefes de governo da Alemanha e da Polônia na tarde desta segunda-feira, não foi escolhido por acaso. Meio milhão de pessoas residentes na região do Reno-Ruhr, no oeste alemão, têm sobrenome de origem polonesa, uma conseqüência do boom de mineiros na região, há cem anos. E todos são apaixonados por futebol. Por isso o toque descontraído do encontro será uma partida entre equipes dos dois países.

As relações entre Alemanha e Polônia, tradicionalmente tão próximas, passam por uma grave crise, após a negativa alemã à guerra no Iraque, considerada "antiamericana" e, conseqüentemente, antipolonesa por Varsóvia. Em sua sexta-edição, o encontro teuto-polonês, aliás, é marcado por vários temas polêmicos: a futura constituição européia, o futuro do Iraque e o Centro contra o Desterro.

Uma das tarefas do chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, em seu encontro com o premiê Leszek Miller, é abrandar a desconfiança dos poloneses, que se vêem traídos com as relações cada vez mais estreitas nos últimos meses entre Alemanha, França e Rússia.

Mais poder para os pequenos

Varsóvia insiste que os países menores recebam mais poder de decisão na futura constituição da União Européia. A Polônia defende que cada um dos 25 membros da comunidade seja representado por um comissário, ao contrário do que pretende a Alemanha, entre outros. Além disso, os poloneses querem ancorar na constituição a proibição de estruturas de defesa que concorreriam com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

Outro tema delicado entre Schröder e Miller é a criação de um centro contra o banimento, defendido pela presidente da Associação Nacional dos Desterrados, Erika Steinbach, da União Democrata Cristã (CDU). Há algumas semanas acirra-se um debate a respeito de vítimas e agressores durante a Segunda Guerra Mundial.

Tanto o presidente polonês, Aleksander Kwasniewski, como o premiê Miller consideram a construção de um centro contra o banimento "uma idéia que envolve muitos riscos e prejudicial à reconciliação".

Montagem fotográfica de mau gosto

Recentemente, um jornal de Varsóvia publicou uma foto em que o chanceler Gerhard Schröder aparece sendo cavalgado por Erika Steinbach, em uniforme nazista. O porta-voz do governo alemão limitou-se a comentar o mau gosto da montagem, enquanto Miller lamentou a publicação.

O encontro teuto-polonês acontece regularmente desde 1997. Pelo lado alemão, participam também os ministros das Relações Exteriores, Joschka Fischer; dos Transportes, Manfred Stolpe; da Justiça, Brigitte Zypries, e da Cultura, Christina Weiss.

Leia mais