Alemanha e França pedem a Karzai que busque unidade no Afeganistão | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha e França pedem a Karzai que busque unidade no Afeganistão

Comunidade internacional parabeniza o presidente Hamid Karzai após a comissão eleitoral do Afeganistão cancelar o segundo turno e declarar a vitória do atual mandatário.

default

Após a desistência do rival Abdullah Abdullah, a Comissão Eleitoral Independente (CEI) do Afeganistão cancelou nesta segunda-feira (02/11) a realização do segundo turno previsto para o próximo sábado e proclamou o atual presidente do país, Hamid Karzai, vencedor das eleições presidenciais.

Abdullah, ex-ministro afegão do Exterior, havia instado Karzai a destituir o presidente da CEI, Azizullah Ludin. Como Karzai não atendeu o pedido, Abdullah se recusou a participar das eleições presidenciais alegando que persistia o risco de fraudes no processo eleitoral.

De acordo com fontes diplomáticas, a comunidade internacional se opôs com veemência à realização de um segundo turno com apenas um candidato. Um diplomata declarou à agência de notícias DPA que seria ridículo gastar dinheiro e colocar em risco a vida de pessoas numa eleição cujo resultado se conhece de antemão.

Reações

A comunidade internacional apoiou a decisão da CEI. Em comunicado, a embaixada dos Estados Unidos em Cabul declarou que o país continuará colaborando com o governo do Afeganistão e apoiando os esforços em prol de reformas institucionais e da segurança interna.

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, disse em Washington que é chegada a hora de os dois governos iniciarem "conversações duras". Já o presidente do Estados Unidos, Barack Obama, evitou fazer comentários logo após o anúncio da reeleição. Ele disse que se pronunciará nos próximos dias.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que se encontrou com Karzai e Abdullah em Cabul numa tentativa de pôr fim ao caos político, foi o primeiro líder mundial a parabenizar o presidente reeleito.

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, telefonou para Karzai e pediu empenho em prol da unidade nacional. O Reino Unido é o segundo país com mais soldados no Afeganistão.

Em Paris, os ministros das Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, e da França, Bernard Kouchner, pediram a Karzai para que trabalhe em sintonia com Abdullah.

"Esperamos que o presidente afegão se esforce para unir os dois lados (…) e procure ser o presidente de todos os afegães", afirmou Westerwelle. Kouchner declarou que os governos europeus deveriam unir esforços com os Estados Unidos para persuadir Karzai a chegar a um acordo com Abdullah.

AS/afp/rtr/dpa

Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais