1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Migração

Alemanha e Áustria convocam cúpula da UE sobre crise migratória

Merkel afirma que objetivo é discutir apoio aos países de origem dos migrantes e como acolher os milhares que chegam à Europa. Após encontro com homólogo austríaco, chanceler federal alemã defende controle na fronteira.

A Alemanha e a Áustria propuseram nesta terça-feira (15/09) a realização de uma reunião de cúpula extraordinária da União Europeia (UE) na próxima semana para discutir a crise migratória no continente.

Após reunir-se em Berlim com seu homólogo austríaco, Werner Faymann, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou que os dois países encaminharam o pedido ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Merkel disse que a intenção não é discutir novamente os planos para a distribuição dos refugiados entre os países do bloco, afirmando que a questão está em "boas mãos" ao ser tratada pelos ministros do Interior da UE.

O objetivo, explicou a chanceler, será analisar formas de apoiar os países dos quais as pessoas saem em busca de refúgio e como trabalhar melhor em parceria com a Turquia – de onde muitos migrantes partem em direção à Grécia. Além disso, seriam discutidas maneiras de acelerar a criação de centros de refugiados, os chamados hot spots, na Grécia e na Itália, para acolher e registrar os que chegam ao continente.

Merkel ressaltou que a Alemanha, a Áustria e a Suécia – os países que vêm suportando o peso do pelo fluxo migratório atual – não podem lidar com a situação sozinhos. "Este é um problema de toda a União Europeia. Por isso, requeremos a realização de uma reunião de cúpula extraordinária na próxima semana", disse.

A chanceler federal minimizou uma suposta ameaça feita por seu ministro do Interior, Thomas de Mazière, que havia dito que a UE deveria impor penalizações financeiras aos Estados-membros que não aceitarem compartilhar os refugiados no continente. Ela pediu a volta de um "espírito europeu" e disse que "ameaças não são a maneira apropriada para se chegar a um acordo".

Merkel defendeu a decisão de seu governo de restabelecer os controles na fronteira com a Áustria, afirmando que a medida visa apenas facilitar o registro dos refugiados que chegam ao país. Ela afirmou que os controles deverão permanecer "até que a segurança esteja restabelecida".

Quanto àscríticas da União Social Cristã (CSU) – tradicional aliado de seu partido, a União Democrata Cristã (CDU) – à política de acolhimento de seu governo, Merkel foi enfática ao afirmar que "se agora tivermos que pedir desculpas por nos mostrarmos amigáveis frente a uma situação de emergência, então, este não é o meu país". Ela disse estar convencida de que a decisão de acolher os refugiados vindos da Hungria foi acertada.

RC/epd/dpa/rtr/afp/ap

Leia mais