Alemanha duplica exportações de armas | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 15.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha duplica exportações de armas

Estudo acusa duplicação das exportações de armas da Alemanha, e oposição pede maior controle sobre a indústria bélica do país. América Latina, cuja importação de armas subiu 150%, também preocupa especialistas.

default

Submarino alemão modelo 214 espera no estaleiro para entrega

O aumento substancial do volume de exportações de armas da Alemanha reacendeu o debate político sobre o controle do comércio de equipamentos bélicos. Um estudo divulgado nesta segunda-feira (15/03) pelo Instituto Internacional de Pesquisa de Paz de Estocolmo (Sipri, na sigla em inglês), aponta que a Alemanha duplicou suas exportações de armas nos últimos cinco anos.

Entre 2005 e 2009, a participação do país como exportador no mercado bélico mundial saltou de 6% para 11%. A Alemanha ocupa o terceiro lugar entre os maiores exportadores de armas, atrás apenas dos EUA (30%) e da Rússia (23%).

A oposição alemã tachou de "preocupante" a notícia do aumento de exportações da indústria bélica do país, e exigiu que as vendas sejam fiscalizadas pelo parlamento alemão. Os principais clientes da Alemanha são a Turquia, a Grécia e a África do Sul.

Fazer fortuna armando rivais

Cem Özdemir, um dos líderes do Partido Verde, lamentou principalmente o alto volume de exportações para a Turquia e a Grécia. "É um absurdo estarmos fazendo fortuna ajudando dois membros da Otan a se armarem um contra o outro", disse.

Claudia Roth Bundesvorsitzende Neujahrsklausur

Claudia Roth, dos Verdes, pede maior controle

Na opinião da também líder verde Claudia Roth, o parlamento alemão deve controlar o envio de armas para o exterior, "como é comum em outros países e parlamentos, onde o Legislativo tem o direito de controlar o governo no que diz respeito a exportações de equipamentos bélicos", pleiteou.

O Ministério da Economia, responsável pelo assunto, declarou que as exportações de armas seguem estritamente os regulamentos da UE. Grande parte do equipamento bélico só é vendido a países da UE e Otan, ressaltou uma porta-voz do órgão federal.

Corrida na América Latina preocupa

A corrida armamentista na América Latina também preocupa: as importações de armas dos países da região cresceram 150% entre 2005 e 2009. Segundo o Sipri, o aumento das importações se deve a um crescimento significativo tanto nos gastos militares como no volume de encomendas dos países latino-americanos.

"Há indícios de um comportamento competitivo nas aquisições de armamentos na América do Sul", disse Mark Bromley, pesquisador do Sipri e especialista em América Latina. "Isso mostra claramente que precisamos de melhorias na transparência e nas medidas para fomentar a confiança recíproca e reduzir a tensão na região", afirmou.

Em relação ao volume global, as importações de toda a América, incluindo os EUA, se mantêm em 11%, mesmo percentual registrado entre 2000 e 2004. Os Estados Unidos foram o maior importador de armas convencionais na região e o oitavo maior importador do mundo.

Investindo em blindados

Na América Latina, o principal importador desse tipo de armas foi o Chile, que ocupa do 13º lugar no mundo entre os importadores de armamentos. O relatório do Sipri aponta que alguns países da América do Sul estão investindo em tanques e veículos blindados.

Em setembro de 2009, Venezuela recebeu um crédito de cerca de 2,2 bilhões de dólares para comprar sistemas de defesa aérea, artilharia, veículos blindados e tanques, embora não sejam conhecidos nem o número nem o tipo de armas que serão adquiridos, de acordo com o Sipri.

Enquanto isso, o Brasil começou a receber em 2009 os 220 tanques Leonard-1A5 de segunda mão e o Chile concluiu a aquisição de 140 tanques modelo Leopard 2A4 , encomenda de ambos países à Alemanha. Por seu lado, o Peru anunciou no fim de 2009 a intenção de assinar um acordo com a China para comprar 80 tanques MBT-2000.

Brasil analisa compra de caças

Atualmente, o Brasil está analisando a compra de 36 aeronaves de combate. Os modelos franceses Rafale, os Gripen suecos e os estadunidenses F/A-18 fazem parte da concorrência. Em setembro passado, Brasília assinou, ainda, um acordo de cooperação militar com a França, prevendo a fabricação de 50 helicópteros, a construção em série de quatro submarinos convencionais, além do desenvolvimento do primeiro submarino brasileiro de propulsão nuclear.

Embora a maioria dos sistemas bélicos adquiridos venha de fora da América Latina, as empresas da região também estão se beneficiando de um aquecimento do comércio de armamentos. O Chile e o Equador encomendaram aviões Super Tucano à brasileira Embraer. As Forças Armadas colombianas utilizaram esse modelo em 2008 durante um ataque contra os guerrilheiros das Farc.

MD/dpa/afp
Revisão: Augusto Valente

Leia mais