1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha concorda com prorrogar ajuda, mas descarta cortar dívida grega

Novo governo da Grécia deve respeitar acordos e manter reformas estruturais, reitera Merkel, depois do anúncio da formação de uma coalizão "antiausteridade" pelo Syriza.

O governo alemão afirmou nesta segunda-feira (26/01) que "obviamente" vai cooperar com o novo governo da Grécia, mas espera que os compromissos assumidos sejam mantidos e que as reformas estruturais prossigam.

"Em nossa visão, é importante que o novo governo tome medidas para promover a recuperação da economia da Grécia. Isso também significa que a Grécia deve se ater aos compromissos anteriores", declarou o porta-voz da chanceler federal Angela Merkel.

O Ministério alemão das Finanças disse que a posição contrária ao corte da dívida grega permanece inalterada, mas que a Alemanha é favorável a uma prorrogação do atual programa de resgate. "Em tese, é uma opção", afirmou uma porta-voz.

As declarações foram dadas depois que o vencedor das eleições gregas, o partido radical de esquerda Syriza, e o pequeno partido nacionalista de direita Gregos Independentes anunciaram a formação de um governo de coalizão. Ambos são contra as medidas de austeridade que são a contrapartida da bilionária ajuda internacional à Grécia.

Antes do anúncio da coalizão, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, havia declarado esperar que o novo governo da Grécia cumpra os compromissos assumidos internacionalmente e resolva os problemas orçamentário do país. "O primeiro-ministro respeita a decisão do povo grego. A Grécia precisa lidar com seu deficit e cumprir os compromissos internacionais", declarou um porta-voz de Cameron.

UE promete cooperação

A Comissão Europeia, por sua vez, afirmou estar pronta para cooperar com o novo governo da Grécia, acrescentando que o país fez progressos importantes nos últimos anos, mas lembrou que ainda há muito a ser feito. Um porta-voz disse que a Comissão "respeita completamente a escolha soberana e democrática do povo grego" e que está "pronta para continuar apoiando a Grécia a enfrentar os desafios das reformas que ainda faltam".

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem, parabenizou o Syriza pela vitória nas eleições legislativas na Grécia e garantiu que a zona do euro está pronta para colaborar com o novo governo, liderado por Alexis Tsipras.

"Estamos prontos para trabalhar com eles, assim como sempre trabalhamos com governos gregos anteriores. Vamos iniciar as conversações assim que tomarem posse, mas ser membro da zona do euro significa cumprir com tudo o que foi acertado", reforçou Dijsselbloem.

Em relação ao perdão parcial da dívida, reivindicado pelo Syriza durante a campanha eleitoral, Dijsselbloem ressaltou que os países-membros da União Europeia (UE) "já fizeram muito para aliviar os efeitos da dívida, tanto em termos de taxas de juro como de vencimento de empréstimos". Ele disse não ver muito apoio às exigências gregas dentro da UE.

CN/dpa/afp/rtr/lusa

Leia mais