1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha comemora aumento na arrecadação tributária

Segundo o Ministério de Finanças, boa situação no mercado de trabalho e baixos juros possibilitaram aumento de 4,4% no primeiro semestre, comparado a 2011. Endividamento do país também deve ficar abaixo do esperado.

O Ministério das Finanças da Alemanha comemora: a arrecadação do primeiro semestre deste ano aumentou 4,4%, alcançando 268,2 bilhões de euros, segundo levantamento divulgado nesta sexta-feira (20/07). Considerando apenas junho, a receita subiu 7,5% com relação ao mesmo mês no ano passado.

O motivo para o crescimento da arrecadação está na confortável situação do mercado de trabalho. Nesta área, os encargos totais do Estado caíram para aproximadamente 2,4 bilhões de euros. Além disso, o nível de juros extremamente baixo alivia o orçamento federal – no último semestre, a carga reduzida ficou em torno de um bilhão de euros.

A Alemanha também vem lucrando com a crescente insegurança dos investidores, desencadeada pela crise da dívida. Eles têm buscado portos seguros para seus recursos, recorrendo aos pouco lucrativos mas sólidos títulos públicos alemães.

Por esses motivos, a Alemanha deve apresentar menos dívidas este ano. "Em vez dos planejados 32 bilhões de euros, o governo federal deve chegar a um total líquido de endividamento em torno de 25 bilhões de euros", afirmou ao jornal Handelsblatt Alfred Boss, do IfW (Instituto para Economia Mundial, na sigla em alemão), sediado em Kiel.

As perspectivas para o restante do ano também são boas, com uma previsão de arrecadação de até 600 bilhões de euros. Heinz Gebhard, do Instituto de Pesquisas Econômicas (RWI), de Essen, acredita que este valor poderá ser ainda maior.

"O índice extremamente baixo dos juros aliviará o orçamento também nos próximos meses", afirma Gebhard, destacando que a economia está melhor do que havia sido previsto anteriormente.

O governo da Alemanha calcula um crescimento de 0,7% para este ano. Muitos economistas, porém, acreditam que este índice ficará em torno de 1%, ou até mais.

MSB/dapd/ rtr
Revisão: Marcio Damasceno

Leia mais