1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha começa a treinar tropas do Mali

União Europeia quer que as forças militares do Mali sejam capazes de garantir a segurança do próprio país. Forças Armadas alemãs instruem soldados malineses para combater radicais islâmicos no norte do país.

Militares alemães iniciaram esta segunda-feira (29/04) as primeiras atividades na missão de apoio da União Europeia (UE) no Mali, conhecida pela sigla inglesa EUTM. O principal objetivo é trabalhar na formação técnica das tropas locais para futuros combates contra grupos radicais islâmicos, principalmente no norte do país.

As atividades começaram com uma primeira turma de 30 soldados malineses, que enfrentaram temperaturas de mais de 40ºC na cidade de Koulikoro, a 60 quilômetros da capital Bamako. "Estamos aqui para isso. Ficamos felizes de ver os europeus aqui", disse o integrante da turma pioneira Salif Kouyaté, que ajudava os colegas a encher sacos de areia.

Preparados para áreas de risco

Forças armadas de vários países europeus ergueram um grande campo de treinamento em Koulikoro durante as últimas semanas. A construção da estrutura só foi possível graças à decisão da União Europeia, no início de 2013, de investir em uma missão de formação nas áreas do Mali em crise.

Bundeswehr in Mali

Treinamentos no Mali

Cada país assumiu uma parte específica da formação das tropas locais. Os 30 soldados malineses da turma pioneira instruída por militares alemães vão aprender como isolar áreas com arame farpado, como detectar minas e como usar explosivos com segurança.

Sem medo do norte

Treinamentos básicos como esse são urgentes, uma vez que as tropas malinesas são consideradas fracas, mal preparadas e sem armas adequadas. No início de 2012, por exemplo, tiveram de admitir a derrota frente aos rebeldes tuaregues do Movimento de Libertação do Azawad (MNLA), presente no norte do Mali. A região também foi ocupada por insurgentes de grupos radicais islâmicos como a Al Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI) e o Ansar Dine.

Muitos soldados temem ser designados para atuar no norte do país. Apesar de a área estar sob intervenção militar francesa, ainda é considerada muito insegura. Kuyaté foge desta regra e garantiu à DW que a situação mudou. "Com a formação e o material que estamos recebendo não há mais qualquer problema. Estaremos treinados para isso."

Bundeswehr in Mali

Técnicas de primeiros socorros

Aulas de primeiros socorros

A cerca de 100 metros dos militares que enchem sacos de areia, jovens soldados se aglomeram à volta de um paramédico malinês. Um dos seus companheiros simula ter sido ferido e está deitado no chão. Ninguém sabe qual é a gravidade do ferimento. O instrutor esclarece passo a passo como lidar com ferimentos de combate.

Bundeswehr in Mali

Comandante da operação no Mali, Alexander Müller-Cramer

O oficial médico Fabian Spies é um dos alemães que acompanha as atividades. Ele diz que o principal objetivo é oferecer noções básicas de salvamento que podem ser aplicadas quando há poucos recursos materiais disponíveis.

"Os soldados já sabem que é possível estancar o sangue usando a bandoleira da arma ou o cinto", observou o médico. A ideia é que esses conhecimentos sejam desenvolvidos.

Essas instruções básicas devem ser repassadas para os 2.600 soldados que passarão pela formação até o fim da missão europeia, previsto para fevereiro de 2014. Porém, médicos e paramédicos deverão receber uma formação mais específica.

Hopitais móveis

Bundeswehr in Mali

Espaço para atendimento médico em Koulikoro

Os soldados do Mali também conhecem os hospitais móveis onde os paramédicos serão treinados. O capitão alemão Jörg Hein mostrou a eles as salas do hospital inflável, que conta com diferentes departamentos. Em situações reais, soldados devem ser atendidos no local.

Em Koulikoro, porém, ninguém acredita que uma situação de emergência poderá realmente acontecer. As Forças Armadas alemãs destacam que a sua atuação no Mali não pode ser comparada com a presença alemã no Afeganistão. “Para nós, os riscos aqui são muito baixos”, afirmou um dos comandantes da missão alemã, Alexander Müller-Cramer.