1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha cai para sétimo lugar no índice global de privacidade

Em todas as sociedades democráticas, a esfera privada perde em status diante do "combate ao terrorismo" ou dos controles de fronteiras. Estudo demonstra como a Alemanha também afunda nesta tendência.

default

Big Brother cada vez mais ativo

O grupo de direitos civis Privacy International, sediado em Londres, divulgou na primeira semana do ano um estudo revelando os países onde a vigilância civil é mais intensa. A lista se refere ao ano 2007.

Em termos de respeito à privacidade, a Alemanha perdeu bastante terreno, caindo do primeiro lugar em 2006 para o sétimo, atrás de Portugal e Eslovênia. Esta queda reflete um processo que atualmente afeta todas as sociedades democráticas.

"A tendência geral é a privacidade ir sendo extinta, num país após o outro", declarou Simon Davies, diretor do grupo. "Mesmo nações como a Alemanha ou o Canadá, onde esperaríamos uma proteção consistente à privacidade, estão caindo no lamaçal."

Última entre as prioridades

Preocupações acerca de imigração ou controle de fronteiras levam os governos a rapidamente implementar sistemas de armazenamento de dados, identidade e impressões digitais, via de regra sem levar em consideração as implicações para a privacidade de seus próprios cidadãos. Em princípio, todos são suspeitos, independente de seu status legal.

A Grécia, a Romênia e o Canadá receberam as melhores notas entre os 47 países examinados pela Privacy International. A Malásia, a Rússia e a China ficaram no fim da lista. Contudo, o Reino Unido e os EUA também compõem o grupo das piores "sociedades de vigilância endêmica".

Segundo o relatório da Privacy International, enquanto a invasão da esfera privada diminui nos antigos Estados comunistas, ela vai se agravando na Europa Ocidental. Os pesquisadores consideraram dados como os mecanismos de proteção legal, a aplicação das leis, o emprego da biometria e a presença de câmeras de circuito fechado.

30 mil contra a União Européia

Demonstration gegen Vorratsdatenspeicherung in Frankfurt Freiheit statt Angst Demonstrant Überwachung

Manifestação contra o armazenamento de dados em Frankfurt

O índice global de privacidade demonstra que, embora a legislação alemã de proteção à privacidade seja uma das mais fortes do mundo, o país também apresenta um dos mais altos níveis de monitoração das telecomunicações na Europa.

A implementação da diretriz de armazenamento de dados da União Européia valeu críticas específicas à Alemanha. A medida de março de 2006 exige que companhias telefônicas e provedores de internet arquivem seus dados por até seis meses, admitindo à polícia acessar esses dados, munida de mandado judicial. O grampeamento de telefones também é permissível, em determinados casos.

A aprovação da legislação foi cercada por objeções veementes. No início do ano, cerca de 30 mil pessoas, inclusive ativistas da privacidade e grupos de direitos civis, abriram um processo coletivo de dimensões históricas contra a controversa lei.

Protestos em algumas cidades alemãs acompanharam a iniciativa. Os militantes também procuram anular a diretriz da UE de retenção de dados que levou a Alemanha a aprovar a legislação em questão.

Pontos negativos

Segundo Gisela Pitz, porta-voz do Partido Liberal Democrático (FDP) para questões de política interna, a lei de armazenamento de dados "atenta contra os fundamentos de nosso Estado constitucional".

Os autores do estudo também ressaltam o fato de, a partir de novembro de 2007, os passaportes biométricos da Alemanha incluírem impressões digitais. A vigilância por vídeo foi ampliada, e não há dispositivos de proteção à privacidade no local de trabalho, apesar de apelos neste sentido.

Igualmente criticados são o armazenamento de dados de telecomunicações e as crescentes exigências, por parte dos políticos, de medidas de segurança mais abrangentes. Também recebeu censuras o papel da Alemanha em iniciar e aprovar o Tratado Prüm – que facilita as investigações internacionais para além das fronteiras de sete países europeus. (av)

Leia mais