1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha busca maior influência na ONU

Nesta 59ª Assembléia Geral da ONU, a Alemanha pretende conseguir um mandato permanente no Conselho de Segurança. Na cerimônia de abertura, o secretário-geral, Kofi Annan, exigiu o fortalecimento do Direito Internacional.

default

Assembléia Geral da ONU: soluções conjuntas para problemas globais

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, exigiu o fortalecimento do Direito Internacional na cerimônia de abertura da 59ª Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas, em Nova York, nesta terça-feira (21/09). Perante representantes de 191 países, Annan também voltou a criticar a política americana no Iraque. "Atualmente o Estado de Direito em todo o mundo está em perigo".

Annan ressaltou que mais do que nunca o mundo precisa de "um mecanismo eficiente capaz de buscar soluções conjuntas para problemas globais", lembrando que com este objetivo a Organização das Nações Unidas foi criada. Nestes tempos difíceis, a ONU é imprescindível para toda a humanidade.

Cada nação que proclama a soberania de Direito dentro de seu território deve respeitar esta mesma soberania no exterior, frisou Annan, conclamando novamente os países-membros a respeitar e contribuir com a implantação e manutenção a nível mundial dos princípios que constam na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Ele condenou a violação desses direitos, citando como exemplo o atual conflito em Darfur, que já causou milhares de vítimas, o seqüestro sangrento em uma escola na Ossétia do Norte, a incessante luta entre israelenses e palestinos e ainda os ataques contra civis e militares no Iraque.

Missão alemã

Joscha Fischer

Ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer

Nesta Assembléia Geral da ONU, a Alemanha pretende conseguir um mandato permanente no Conselho de Segurança da ONU. O ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, que fará seu discurso na quinta-feira (23/09), revelou estar seguro de que o país conseguirá alcançar seu objetivo. Caso o plano de reformas da ONU, que prevê a ampliação do Conselho, seja aprovado, "então a Alemanha com certeza fará parte", disse Fischer, em Nova York.

A Alemanha é o terceiro maior contribuinte da ONU. Mais do que prestígio, o anseio alemão é ajudar a tornar a instituição mais eficiente e representativa. Até agora apenas cinco países – Estados Unidos, China, Rússia, França e Grã-Bretanha – possuem mandato permanente (com poder de veto) no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Ajuda mútua

O plano é ampliar o Conselho, um dos principais órgãos da ONU, para 25 mandatos, sendo mais quatro temporários (para Ásia, África, América Latina e Europa Ocidental) e até seis novos permanentes. A reforma depende, entretanto, da aprovação de dois terços dos 191 países-membros.

Nesta terça-feira (21), Fischer tem agendado um encontro paralelo com o presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, e o premiê do Japão, Junichiro Koisumi. Assim como a Alemanha, estas três nações também pleiteiam por um mandato permanente no Conselho de Segurança e pretendem se apoiar mutuamente.

Leia mais