1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Alemanha assegura vaga e condição de cabeça de chave na Copa de 2014

Na penúltima rodada das eliminatórias para a Copa do Mundo, Alemanha e Bélgica confirmam, além da classificação, a condição de cabeça de chave no Mundial. Suíça e Colômbia também garantem vagas.

Quatro seleções garantiram nessa sexta-feira (11/10) suas vagas para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Alemanha, Bélgica e Suíça confirmaram o favoritismo, venceram as suas partidas, e asseguraram a primeira colocação nos respectivos grupos das eliminatórias europeias.

Os dois primeiros comemoram ainda a condição de cabeça de chave no Mundial, se juntando a Espanha, Argentina e Brasil. A quarta nação a confirmar sua ida ao Brasil foi a Colômbia. Agora, das 32 vagas para a Copa do Mundo, 14 já estão definidas.

A rodada também definiu que Croácia e Suécia terão que brigar por uma vaga na repescagem. Além disso, as chances de uma classificação direta para França e Portugal ficaram bem remotas.

Pelas Eliminatórias na América, Chile, Equador e Honduras estão muito próximos do Mundial, enquanto Uruguai e México ainda sonham em evitar a repescagem.

Alemanha volta ao Brasil depois de 22 anos

WM-Qualifikation, Europa-Gruppe C: Deutschland - Irland am 11.10.2013 im Bastian Schweinsteiger chegou á marca dos 100 jogos vestido a camisa da seleção alemã

Bastian Schweinsteiger chegou á marca dos 100 jogos vestido a camisa da seleção alemã

A classificação da Alemanha – com oito vitórias e um empate – é indiscutível e, ao mesmo tempo, mais do que esperada. O único tropeço da Nationalelf havia sido no dia 16 de outubro do ano passado, quando cedeu o empate para a Suécia em casa depois de estar vencendo por 4 a 0. As duas seleções irão se reencontrar na última partida pelo grupo C no dia 15 de outubro em Solna, na Suécia.

A vitória alemã por 3 a 0 frente a Irlanda impossibilitou qualquer possibilidade de classificação direta para escandinavos, que mesmo se vencerem a Áustria por 2 a 1, terão que encarar a repescagem.

No RheinEnergie Stadion em Colônia, a Alemanha foi superior e, em uma noite inspirada de Toni Kroos, os tricampeões mundiais mostraram que chegam ao Brasil como um dos grandes favoritos a conquistar mais um Mundial. Sem contar com atacantes de ofício, o treinador Joachim Löw fez três alterações em relação à partida anterior, contra as Ilhas Faroe.

Nos lugares de Marcel Schmelzer (contundido), Miroslav Klose (contundido) e Julian Draxler (banco de reservas), Löw promoveu Marcell Jansen, André Schürle e Bastian Schweinsteiger, que completou assim sua centésima partida pela seleção alemã. Os gols da Alemanha foram marcados por Sami Khedira, André Schürle e Mesut Özil.

Os alemães mostraram bastante versatilidade, tendo Mesut Özil como "falso" atacante e o próprio Schürle se aproximando bastante da área irlandesa. Toni Kroos, com duas assistências – uma delas, uma "cavadinha" por cima da defesa adversária, no melhor estilo Ronaldinho Gaúcho – foi o homem do jogo.

A única preocupação de Joachim Löw – já há algum tempo – é o sistema defensivo, que, mesmo não sofrendo gols, voltou a mostrar certa fragilidade, permitindo algumas boas chances aos atacantes irlandeses. “No geral, foi uma boa Eliminatória, mas para a Copa do Mundo, duas coisas precisam melhorar: precisamos estabilizar a defesa e o volume de jogo no último terço da partida”, disse Löw depois da partida.

Esta será a décima oitava participação da Alemanha em Copas do Mundo, empatada nesse quesito com a Itália em segundo lugar. A seleção alemã apenas não esteve representada na Copa inaugural de 1930, no Uruguai, e na primeira edição no Brasil em 1950, quando foi banida devido às consequências da Segunda Guerra Mundial. O Brasil, presente em todas as 20 edições, continua como o recordista de participações.

O menino prodígio Romelu Lukaku da Bélgica comemora um de seus gols contra a Croácia

O "menino prodígio" Romelu Lukaku da Bélgica comemora um de seus gols contra a Croácia

A Alemanha voltará a jogar no Brasil depois de 22 anos, desde a derrota para a seleção brasileira por 3 a 1 em um amistoso em Porto Alegre, em dezembro de 1992. Ao todo, a Alemanha atuou seis vezes no Brasil – sempre em jogos amistosos contra a seleção local. O saldo é de três vitórias brasileiras e três empates.

Bélgica é cabeça de chave e Suíça alcança feito inédito

Pelo grupo A, a Bélgica confirmou as expectativas de sua torcida e carimbou o passaporte para sua décima segunda participação em mundiais ao vencer a Croácia por 2 a 1. Os gols foram marcados pelo "menino prodígio" Romelu Lukaku, preterido por José Mourinho no Chelsea. O resultado garantiu aos belgas a pontuação necessária para encabeçar um dos oito grupos do mundial.

Os cabeças de chave para a Copa de 2014 serão definidos pelo ranking da Fifa, que será divulgado no dia 17 de outubro. Os sete primeiros, além do Brasil, serão os escolhidos.

A seleção belga merece atenção especial. A atual geração de jogadores é bastante jovem, porém bastante badalada. Atuando, muitas vezes com destaque, em grandes clubes europeus, jogadores como Eden Hazard, Thibaut Courtois, Vincent Komapny, Daniel van Buyten e Marouane Fellaini, possuem a experiência de participações em Liga dos Campeões – assim como de conquistas – em clubes como Chelsea, Atlético de Madrid, Manchester City, Bayern de Munique e Manchester United.

O treinador da equipe, o ex-atacante Marc Wilmots, tem em suas mãos a melhor geração desde a da década de 80, quando a equipe de grandes jogadores como Jean-Marie Pfaff, Enzo Sciffo e Jan Ceulemans alcançou as quartas de final da Copa de 1986.

Com as mesmas oito vitórias e um empate da campanha alemã, a Bélgica surpreendeu pela facilidade que derrotou seus adversários. Os belgas superaram em seu grupo as equipes da Croácia e da Sérvia que, bem ou mal, estiveram nos últimos mundiais, para os quais a Bélgica não conseguiu se classificar.

A Suíça visitou a Albânia e confirmou, com uma vitória por 2 a 1, a liderança no grupo E. Os suíços se classificaram pela terceira vez consecutiva para uma Copa do Mundo, feito inédito para o país. A base da atual equipe é a mesma que foi campeã mundial sub-17 na Nigéria, em 2009.

Jogadores portugueses lamentam o empate em 1 a 1 com Israel que os deixou próximos da repescagem

Jogadores portugueses lamentam o empate em 1 a 1 com Israel que os deixou próximos da repescagem

O que chama a atenção é a quantidade no elenco de descendentes de outras nacionalidades: ao todo são dez. Destes, o mais famoso é o próprio Shaqiri, que nasceu no Kosovo e atua pelo Bayern de Munique. Macedônia, Albânia, Gana, Congo, Portugal, Sérvia, Croácia, Bósnia e até o Chile estão representados no elenco que está à disposição do experiente treinador Ottmar Hitzfeld.

França e Portugal precisam de um milagre

No grupo I, a atual campeã mundial e europeia, Espanha, está praticamente classificada para defender seu título. Com uma vitória por 2 a 1 contra a Bielorússia – gols de Xavi Hernández e Alvaro Negredo – os espanhóis abriram três pontos de vantagem para a França. Apenas uma hecatombe evitaria a classificação direta. Na última rodada a Espanha irá receber a Geórgia.

Portugal terá, aparentemente, que passar outra vez pela repescagem para ir a um Mundial. Com a vitória russa por 4 a 0 contra Luxemburgo e após empatar em 1 a 1 com Israel, os portugueses terão que contar com uma vitória da Rússia sobre o Azerbaijão e ainda golear Luxemburgo na última rodada. Os russos lideram o grupo F com três pontos de vantagem.

A Inglaterra espantou a zebra, eliminou Montenegro (4 a 1) e agora precisa de uma vitória simples contra a Polônia na última rodada do grupo H, em casa. A Ucrânia, que derrotou a Polônia por 1 a 0, segue um ponto atrás dos ingleses e visita a pior seleção das eliminatórias europeias, San Marino.

Já os grupos G, B e D seguem com disputas acirradas. Pelo grupo G, tanto a Bósnia-Herzegovina quanto a Grécia venceram suas partidas e seguem empatadas na liderança com 22 pontos. A Bósnia, líder no saldo de gols, pega a Lituânia fora de casa, enquanto os gregos recebem o saco de pancadas Liechtenstein, na última rodada.

Nos grupos B e D, a classificação já está definida (Itália e Holanda, respectivamente), mas a luta pela segunda posição está acirrada e poderá até resultar na eliminação do segundo colocado de um desses grupos. Isto porque, o pior segundo colocado dos nove grupos europeus não poderá participar da repescagem.

Bulgaria (13 pontos), Dinamarca (13), República Checa (12) e Armênia (12) ainda têm chances no grupo B, assim como Turquia (16), Romênia (16) e Hungria (14) no grupo D. Os turcos, em melhor posição, recebem a Holanda, enquanto a Romênia enfrenta a Estônia e a Hungria deverá somar três pontos contra Andorra.

Radamel Falcao comandou a reação colombiana contra o Chile, no empate em 3 a 3

Falcao García comandou a reação colombiana contra o Chile, no empate em 3 a 3

Falcao García classifica a Colômbia

Pelas eliminatórias sul americanas, o Chile abriu 3 a 0 no primeiro tempo, resultado que sacramentaria sua classificação. Porém, em uma reação incrível comandada por sua principal estrela, Falcao García, a Colômbia arrancou o empate de 3 a 3 e selou sua participação em seu quinto Mundial.

O Equador derrotou o Uruguai por 1 a 0 e praticamente selou sua classificação, enquanto os uruguaios deverão ir para a repescagem. O Chile, terceiro colocado, soma 25 pontos, assim como os equatorianos. O Uruguai ficou nos 22 e ainda corre o risco de ser ultrapassado pela Venezuela, que tem 20 pontos.

Com um golaço de bicicleta de Raul Jiménez aos 40 minutos do segundo tempo, o México derrotou seu concorrente direto, o Panamá, por 2 a 1 e conseguiu um importante passo para ao menos garantir uma vaga na repescagem.

A três pontos da seleção de Honduras, que venceu a Costa Rica por 1 a 0, os mexicanos possuem poucas chances para conquistar uma vaga direta. Um empate contra a lanterna Jamaica, na última rodada, garante a classificação hondurenha.

Leia mais