1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha apresenta plano de paz para Oriente Médio

União Européia elogia proposta, que prevê independência provisória da Palestina. Fischer quer que EUA, UE, Rússia e ONU garantam execução de um possível acordo.

default

Ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer.

O ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer (Os Verdes), apresentou aos países-membros da União Européia uma proposta de solução ampla para o conflito no Oriente Médio. Ele sugere, como primeiro passo, a separação completa das partes em conflito.

O plano de paz alemão prevê a retirada de Israel dos territórios ocupados e de suas colônias na Cisjordânia. Ao mesmo tempo, propõe a proclamação provisória da independência de um estado democrático da Palestina. Um quarteto formado pelos Estados Unidos, a UE, Rússia e Nações Unidas deve garantir o processo de paz.

O documento foi elaborado por Fischer com a anuência dos países aliados da Alemanha e será discutido num encontro dos ministros das Relações Exteriores da União Européia, na próxima segunda-feira (15), em Luxemburgo.

Terrorismo - Fischer exige que israelenses e palestinos reconheçam mutuamente o "direito à existência", renunciem à violência e garantam o esclarecimento e a punição de todos os atos terroristas. "Países que continuarem apoiando o terrorismo serão isolados política e economicamente", diz o documento.

A proposta de Fischer prevê ainda que, em dois anos, sejam concluídas as negociações sobre questões ainda em aberto entre Israel e Palestina. O objetivo é atingir, até lá, uma normalização completa das relações entre Israel e os países árabes.

A Comissão Européia elogiou o plano de paz alemão, que está sendo avaliado pelos outros 14 países-membros da UE. "Trata-se de uma contribuição importante para dar um impulso às iniciativas políticas de resolver a crise", disse o porta-voz da Comissão, Gunnar Wiegand.

Consultas - Segundo informações do jornal Süddeutsche Zeitung, Fischer teve o cuidado de consultar o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, os ministros das Relações Exteriores da Rússia, Igor Ivanov, e da França, Hubert Vedrine, bem como com o secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, antes de apresentar sua proposta.

O plano de paz será abordado também no encontro informal do chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, com o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, no próximo sábado (13), em Chequers, na Inglaterra. Blair já anunciou que seu país dispõe-se a vigiar um cessar-fogo na guerra da Palestina.