1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha aliviada com dissolução do Parlamento

Políticos de todos os partidos aprovam decisão do presidente de dissolver o Parlamento alemão. As reações à convocação de eleições antecipadas para 18 de setembro.

default

Alemanha elegerá novo Bundestag em setembro

Bundestag Gerhard Schröder Jobgipfel

Gerhard Schröder

Após o anúncio da dissolução do Parlamento em Berlim pelo presidente Horst Köhler, o chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, declarou considerar as eleições parlamentares de 18 de setembro uma chance para a continuidade de suas reformas. Além de qualificar a decisão de Köhler de "soberana", Schröder reiterou que vai lutar com todas as energias pelo voto de confiança do eleitorado.

O presidente do Parlamento alemão, Wolfgang Thierse (SPD), confirmou seu respeito à decisão do presidente. Ele se declarou grato "pelo fato de Köhler ter deixado bastante claro que a dissolução do Parlamento tem respaldo constitucional e não representa um truque ou um jogo absurdo do chanceler federal". Thierse apelou por uma campanha eleitoral justa e rica em argumentos.

Vertrauensfrage Bundestag Werner Schulz

Werner Schulz

Os verdes, parceiros do partido de Schröder na coalizão de governo, também consideram a decisão boa para o país. Para Reinhard Bütikofer, um dos presidentes do Partido Verde, as eleições parlamentares representam uma tomada de rumo decisiva. O parlamentar verde Werner Schulz, por sua vez, pretende entrar com um recurso contra a antecipação das eleições junto ao Tribunal Constitucional Federal. Diante das dificuldades nacionais e internacionais, ele rejeita a convocação de novas eleições no momento. Os políticos alemães consideram mínimas as chances de o Tribunal anular a dissolução do Parlamento.

A candidata da oposição democrata-cristã às eleições parlamentares, Angela Merkel (CDU), comemorou a dissolução do Parlamento como chance de um recomeço político na Alemanha. O presidente da União Social Cristã (CSU), Edmund Stoiber, também se mostrou animado com a chance de uma virada política, acrescentando que isso corresponde à vontade da maioria da população. O presidente do Partido Liberal (FDP), Guido Westerwelle, disse que a decisão de dissolver o Parlamento "põe fim ao impasse em que o país se encontra e permite à população acabar com a paralisia política gerada pela coalizão de governo social-democrata e verde".

Gregor Gysi Wahlparteitag der PDS jetzt Die Linkspartei

Gregor Gysi

O candidato socialista Gregor Gysi (PDS) considera urgente e constitucional a decisão de convocar novas eleições. Na sua opinião, qualquer outra atitude teria desencadeado uma crise estatal, "já que o governo não tem mais capacidade de ação".

O empresariado alemão considera a convocação de novas eleições uma chance de ruptura e crescimento econômico. O presidente da Confederação da Indústria Alemã (BDI), Jürgen Thumann, declarou que o mais importante seria eleger um novo governo "com coragem, força e fôlego para suprir as deficiências e explorar os fortes do país".

Para a Confederação dos Sindicatos Alemães, a opção por novas eleições "encerra uma fase de insegurança e estagnação que o país não pode mais se dar ao luxo de enfrentar". Os sindicatos apelam por uma maior determinação política em gerar empregos e promover crescimento econômico. Os representantes dos trabalhadores alertaram que todos os partidos serão avaliados pelos eleitores de acordo com o grau de justiça de suas reformas sociais.

A grande maioria da população alemã também endossa a decisão do presidente em dissolver o Parlamento. De acordo com uma enquete da emissora ARD, 78% dos alemães são favoráveis à antecipação das eleições e apenas 15% são contra. Entre os que favorecem um novo pleito em breve encontram-se adeptos de todos os partidos. Entre os eleitores democrata-cristãos, 87% consideram as eleições bem-vindas; entre os social-democratas, 75%.

O diário suíço Neue Zürcher Zeitung avaliou da seguinte forma os acontecimentos políticos na Alemanha: "Com sua decisão de antecipar as eleições, o presidente Köhler corre o risco de que esta solução seja considerada inconstitucional pela Justiça, já que a negação do voto de confiança do Parlamento a Schröder foi uma encenação artificial. Do ponto de vista meramente jurídico, este argumento dificilmente pode ser refutado. No entanto, este tipo de questão depende das realidades práticas e de experiências amadurecidas. E as duas únicas experiências com o arranjo de eleições antecipadas (em 1972, com Willy Brandt, e em 1983, com Helmut Kohl) mostram que a estabilidade política na Alemanha – ao contrário da República de Weimar, cujos fundamentos eram pouco sólidos – não vai sair enfraquecida disso, mas – muito pelo contrário – fortalecida".

Leia mais