1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemães protestam contra as reformas sociais

Mais de meio milhão de pessoas participaram de uma grande manifestação contra as reformas sociais que o governo alemão está realizando.

default

Manifestantes acompanham discurso em Berlim

As cidades de Colônia, Berlim e Stuttgart foram palco neste sábado (03/04) de uma grande manifestação nacional contra as reformas sociais. Organizado pela Federação Sindical Alemã (DGB) e com o apoio de instituições sociais e opositores da globalização, este dia de protesto contou com a adesão de mais de meio milhão de pessoas.

Na capital alemã, cerca de 250 mil cidadãos saíram às ruas. Em Stuttgart foram 150 mil e em Colônia o número de manifestantes ultrapassou a marca dos 100 mil.

A expressiva participação é um evidente sinal para o governo do descontentamento do povo, frisou Michael Sommer, presidente do DGB, que participou da caminhada de protesto em Berlim. Ele exigiu o fim de uma política que prejudica a maioria da população.

“Não vamos aceitar que o peso da crise recaia nas costas dos menos favorecidos”, alertou Sommer. O presidente do sindicato dos metalúrgicos, IG-Metall, Jürgen Peters, também teceu duras críticas ao governo de Schröder afirmando que a Agenda 2010 está criando um abismo dentro da sociedade. Ao discursar em Colônia, ele exigiu uma mudança radical no curso da atual política que “está acabando com o Estado social ao invés de apoiar os menos privilegiados”.

Em Stuttgart, o presidente do sindicato ver.di, Frank Bsirske, conclamou os manifestantes a não aceitarem calados a mudança no sistema social que só trará prejuízos para o país. Cortes na aposentadoria, na assistência social e no seguro-desemprego irão enfraquecer ainda mais o poder de compra da população. “A Agenda 2010 prejudica a conjuntura”, garantiu Bsirske.

Exageros

O secretário-geral do Partido Social Democrata, SPD, Klaus Uwe Benneter, esclareceu em Berlim que seu partido e o governo Schröder levam a sério as angústias e preocupações da população, ressaltando, porém, que as reformas são imprescindíveis e devem ser implementadas na íntegra.

Os partidos de oposição criticaram a forma como os sindicatos estão conduzindo a questão. Friedrich Merz, vice-presidente da União Democrata Cristã CDU, condenou o discurso radical de alguns sindicalistas que, segundo o político, ainda sonham com a década de 70 e esquecem de pensar no futuro.

O presidente do Partido Liberal, Guido Westerwelle, classificou boa parte dos sindicalistas de “traidores dos assalariados e desempregados, por não lutarem em prol de uma renovação sócio-econômica no país”.

Insatisfação popular

Uma pesquisa do instituto Forsa revela que a maioria (73%) da população considera injusto o plano de reformas do governo. Apenas uma minoria (20%) dos entrevistados concorda que as mudanças no sistema social são equilibradas.

Com relação aos resultados destas mudanças, 25% acredita que elas trarão benefícios para a economia e a conjuntura do país. Já 69% da população é cética quanto aos efeitos positivos de tais reformas.

Leia mais