1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemães perdem confiança

Pesquisa revela que os alemães confiam cada vez menos nos políticos, na Igreja e outras instituições. Mas sua disposição a mudanças vai além do que a política exige atualmente.

default

Diminui o número dos que se declaram religiosos

"Os números são em parte alarmantes e assustadores", comentou o ex-presidente da Alemanha Richard von Weizsäcker, patrono de uma ampla pesquisa realizada na internet por incumbência da revista Stern, a emissora de TV ZDF e a consultoria Mc Kinsey.

As respostas de mais de 356 mil cidadãos entre 16 e 69 anos a perguntas compiladas sob o título de "Perspectiva Alemanha" revelaram um alto grau de desconfiança em relação aos políticos, Igreja, sindicatos e outros órgãos da vida pública. A população, ao que indicam os números, está disposta a dar sua parte de colaboração para uma ampla reforma do país, mas não encontra correspondência nas visões — ou na falta de visão — dos políticos e dirigentes.

Políticos, partidos & cia. — Apenas 3% dos participantes na enquete declararam-se plenamente confiantes nos partidos políticos. Mais da metade (57%) consideram deficiente o trabalho realizado pelos partidos e 80% vêem a "necessidade urgente" de melhorias em sua atuação. "A frustração aumenta com a idade das pessoas: entre 16 e 19 anos de idade, 67% falam da necessidade urgente de melhorias; depois dos 40 anos, a cota sobe para 82%", completa Heino Fassbender, diretor da McKinsey alemã.

A avaliação da atuação de outras instituições públicas é igualmente desoladora: apenas 7% acham o trabalho das delegacias de trabalho satisfatório; somente 11% confiam no sistema de previdência social. A entidade mais merecedora da confiança dos alemães é o automóvel clube ADAC, seguido da Polícia — um resultado certamente surpreendente para brasileiros —, da ONG ambientalista Greenpeace e dos jardins-de-infância (enquanto o sistema escolar em geral é visto como necessitado de reformas).

Fé e caridade — Também para as Igrejas, o resultado da pesquisa foi decepcionante. Apenas 39% dos participantes se definiram como religiosos, enquanto a mesma porcentagem se vê como ateísta ou arreligiosa. A Igreja Católica conta com a confiança de somente 11%, enquanto 17% confiam na Igreja Luterana. As atividades das duas principais congregações religiosas do país são consideradas boas por 12% e 18% dos entrevistados, respectivamente. As organizações de ajuda humanitária das duas igrejas, a Caritas e a Diakonie, por sua vez, gozam de maior prestígio entre a população do que a própria instituição Igreja.

O presidente da Confederação dos Bispos Alemães, cardeal Karl Lehmann, falou em entrevista à Stern de um "resultado dramático". "Dói perder em importância", afirmou o cardeal, admitindo que a Igreja deixou de servir de orientação em questões pessoais, familiares, do casamento e da sexualidade.

Contribuição própria — O que surpreendeu os organizadores da pesquisa foi a disposição de grande parte da população de dar sua contribuição para a reforma do sistema social da Alemanha. Quase a metade (45%), por exemplo, concordaria com aposentadorias mais modestas e estaria disposta a complementá-las com seguros particulares, se isso contribuísse para evitar o colapso do sistema previdenciário.

"As pessoas no país vão além daquilo que a política permite. Estão dispostas ao sacrifício e às mudanças", afirma Fassbender. E o ex-presidente Von Weizsäcker completa: "A responsabilidade própria é um bem almejado e não temido".

Leia mais