Alemães esperam sorteio mais preocupados com organização do que com adversários | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 29.11.2001
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemães esperam sorteio mais preocupados com organização do que com adversários

Copa na Alemanha é prioridade absoluta. Delegação na Coréia do Sul quer aprender com os promotores do mundial de 2002.

Uma vez decidido que a Alemanha será cabeça-de-chave na Copa do Mundo de 2002, os representantes do futebol nacional encaram como secundária a definição de seus adversários no mundial do Japão e Coréia do Sul. De olho na promoção da Copa de 2006, a delegação alemã em Pusan está mais preocupada em observar a organização da cerimônia de sorteio.

Dos quatro membros do Comitê Organizador da Copa da Alemanha, somente seu presidente, Franz Beckenbauer, não estará presente ao evento no sábado. Após a confirmação da Alemanha como cabeça-de-chave, o Kaiser voltou a Munique, para receber as propostas de projeto arquitetônico para o novo estádio da capital da Baviera, que provavelmente sediará a partida de abertura do mundial de 2006.

"Pode-se aprender algo em qualquer lugar. Já tomei conhecimento de coisas muito interessantes e as anotei", revela Fedor Radmann, um dos membros do comitê alemão, que participou de um simpósio de marketing em Pusan.

O local onde será o sorteio dos grupos da Copa de 2006 ainda não está definido, mas o das Eliminatórias já tem lugar certo: o centro de convenções da Feira de Frankfurt, no fim de 2003 ou início de 2004. Também falta decidir a instalação do centro de imprensa. Munique é tida como favorita para sediá-lo, mas Berlim, Düsseldorf, Leipzig e Frankfurt igualmente se candidataram.

Um dos homens mais importantes do comitê organizador é Horst Schmidt. O secretário-geral da Federação Alemã de Futebol (DFB) acumula quase três décadas de experiência no planejamento e realização de grandes eventos esportivos. Schmidt colecionou seus primeiros méritos na Olimpíada de 1972, em Munique. Seu know-how é apreciado também pela Fifa, tanto que o alemão integra várias comissões da federação internacional.

Uma das preocupações da delegação alemã recai sobre as medidas de segurança tomadas para a Copa do Japão e da Coréia do Sul. Desde os atentados de 11 de setembro, a ameaça de badernas causadas por hooligans caiu para segundo plano na lista de prioridades. Evitar atos terroristas durante a competição tornou-se meta número um.

Leia mais