1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemães consomem mais cocaína do que se imaginava

Análise inédita de águas fluviais indica que consumo da droga no país pode ser bem superior ao que supunham as autoridades. Somente moradores da região do Reno consumiriam 11 toneladas de cocaína pura por ano.

default

Nova pesquisa põe em xeque números oficiais sobre drogados

Os alemães consomem quantidades inimagináveis de cocaína. É o que indicam análises de águas fluviais realizadas pelo Instituto de Pesquisas Biomédicas e Farmacêuticas (IBMP), de Nurembergue, cujos resultados foram divulgados nesta quarta-feira (09/10) pela revista Spiegel Online .

Durante duas semanas, os peritos do IBMP examinaram amostras de água de vários rios à procura de rastros químicos do consumo de cocaína. Com base na concentração de benzoilegonina, principal produto de decomposição da cocaína, eles projetaram números sobre o consumo da droga no país.

As maiores concentrações do produto foram constatadas no rio Isar, perto de Munique, enquanto Colônia teve índices intermediários e Berlim, baixos.

Segundo o IBMP, a análise indicou que só os 38,5 milhões de habitantes cujo esgoto, depois de tratado, escoa para o Reno – maior rio da Alemanha –, consomem cerca de 11 toneladas de cocaína pura por ano.

Numa estação de tratamento de esgoto perto de Düsseldorf, capital da Renânia do Norte-Vestfália, os pesquisadores mediram uma concentração equivalente ao despejo de 30 quilos de cocaína por dia. Isso indicaria o consumo de "pó" no valor de 1,6 bilhão de euros por ano só nessa região.

Números confiáveis?

Segundo estatísticas de autoridades alemãs e européias, apenas 0,8% dos alemães entre 18 e 59 anos (cerca de 400 mil pessoas) consomem cocaína pelo menos uma vez por ano. "Se os resultados do IMBP forem corretos, então o número de consumidores da droga é bem superior ao que se supunha", diz Roland Simon, do Instituto de Pesquisa Terapêutica (IFT), de Munique, que fornece dados a esse respeito para o governo alemão e a União Européia.

Tomando-se por base as análises do IBMP, cada um dos 184 mil alemães entre 18 e 59 anos dessa região consumiria 60 gramas da droga por ano (164 mg por dia). Levando em conta um grau de pureza de no máximo 40% da cocaína vendida nas ruas, cada viciado consumiria 411 mg/dia, um valor considerado improvável.

O Relatório Mundial sobre Drogas 2005, da ONU, estima que um viciado europeu consome, em média, 35 g de cocaína pura por ano. Combinando esse dado com a concentração de benzoilegonina encontrada no Reno, o IBMP calcula que o número de usuários de cocaína na Alemanha seja o dobro do que afirmam os dados oficiais.

Até agora, os dados sobre consumo de drogas na Alemanha baseavam-se em pesquisas de opinião, estatísticas da polícia e das instituições de tratamento e assistência aos dependentes. No que diz respeito à cocaína, essas informações não são consideradas confiáveis. Nem todo drogado busca auxílio para abandonar o vício, os casos de morte ligados à droga são raros e as estatísticas policiais dependem da freqüência das investigações nesse campo.

Leia mais: Pesquisa inédita é polêmica

Leia mais