1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemães compram imprensa do Leste

Empresas estrangeiras adquiriram o controle sobre 85% do mercado editorial dos países do Leste Europeu. Entre os principais investidores estão editoras da Alemanha, com mais de 60% de participação no mercado.

default

Investimento ou investida da imprensa alemã?

Durante cerca de meio século, a publicação de jornais e revistas foi um privilégio e uma atividade exclusiva dos órgãos estatais nos países comunistas da Europa Oriental. Na chamada "cortina de ferro", essa questão estava estreitamente ligada à propaganda ideológica e à segurança nacional. Com o fim da Guerra Fria e dos regimes comunistas, abriu-se um vácuo no mercado editorial da região, com a inusitada possibilidade de investimentos estrangeiros.

O Leste Europeu converteu-se há muito numa das regiões de maior atratividade para investimentos alemães em todos os setores. Isto ficou ainda mais patente depois que se decidiu ampliar a União Européia com a adesão de dez novos países, muitos dos quais fronteiriços ou próximos à Alemanha.

Domínio alemão

Na área da imprensa, contudo, os investimentos alemães foram muito além do que se poderia considerar normal. Vozes críticas já começam a alertar para o monopólio germânico no mercado de jornais e revistas da Europa Oriental. Editoras alemãs detêm entretanto mais de 60% da imprensa de países como a Polônia, a Hungria ou a República Tcheca.

E em outros países do Leste Europeu a participação alemã no mercado editorial é menor, mas também significativa. Por exemplo, na Eslováquia: 30 jornais pertencem a empresas alemãs. Igualmente grande é a presença de investimentos alemães na imprensa das três repúblicas bálticas: Lituânia, Letônia e Estônia.

As duas empresas alemãs que abocanharam a maior parte do bolo na Europa Oriental foram o grupo WAZ de Essen e o Verlagsgruppe Passau, da Baviera. Mas também outras companhias alemãs estão representadas de forma destacada no mercado da região: por exemplo, as potentes editoras Springer, Gruner&Jahr e Bauer ou a Rheinisch-Bergische Verlagsgesellschaft, uma empresa regional de Düsseldorf.

Situação tcheca

A situação da República Tcheca é a que melhor serve para ilustrar o processo pelo qual está passando a imprensa do Leste Europeu. Na capital Praga, o jornal Pravo – que antes era publicado como órgão oficial do Partido Comunista com o nome de Rude Pravo – é o único que continua em mãos de proprietários tchecos. Ele domina 20% do mercado. Os restantes 80% estão em mãos de editores alemães, suíços e finlandeses.

O Verlagsgruppe Passau adquiriu a maior editora tcheca, a Vltava Labe-Press (VLP), e publica atualmente 11 jornais regionais e 13 revistas semanais no país. Em Passau, um porta-voz do grupo respondeu de maneira evasiva à pergunta sobre a influência alemã no conteúdo dos jornais tchecos: segundo ele, os alemães não podem escrever um jornal em tcheco.

Leia mais