1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemã critica campanha eleitoral russa

Chefe da comissão de observadores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa, Rita Süssmuth, disse que partidos apareceram de forma desproporcional no debate público para as eleições parlamentares deste domingo

default

Campanha intensificada nos últimos dias

Os partidos políticos não dispõem do mesmo acesso aos meios de comunicação e apareceram assim de forma desproporcional no debate público, disse a deputada alemã em entrevista à Deutsche Welle. Rita Süssmuth, da União Democrata Cristã, declarou-se preocupada com os rumos da democracia e dos direitos humanos na Rússia.

A primeira eleição parlamentar sob a presidência de Vladimir Putin será acompanhada por 400 observadores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). A ex-presidente do parlamento alemão considera que, em comparação com o passado, desta vez os meios de comunicação russos informaram amplamente sobre a votação. Em nível regional, entretanto, as reportagens teriam sido muito restritivas. A televisão, por exemplo, teria dedicado muito espaço ao partido da Rússia Unida, ao presidente Vladimir Putin e aos comunistas.

JAHRESRÜCKBLICK 2003 DEZEMBER Russland Wahlen

Cartaz da campanha do partido Rússia Unida

Embora a campanha eleitoral às eleições legislativas russas tenha se intensificado nos últimos dias, acrescentou Süssmuth, continuou baixo o interesse da população pelo tema. A presidente da comissão de observadores da OSCE acompanha com preocupação o desenvolvimento da democracia e dos direitos humanos na Rússia e assinala que nos últimos anos houve um retrocesso na liberdade de imprensa neste país.

Observadores também do Conselho Europeu

O alemão Rudolf Bindig concorda com Süssmuth: "Há muitos problemas na Rússia. Só alguns partidos são favorecidos, e estes, por se considerarem fortes, não dão oportunidade de discussão aos menores".

Bindig foi destacado pelo Conselho Europeu para observar a votação. Ele se ocupa há dez anos com a Federação Russa, já tendo desempenhado a mesma função na última eleição presidencial naquele país. Neste domingo, ele e dois colegas acompanharão a eleição em Krasnodar, a cerca de 1600 quilômetros ao sul de Moscou.

O alemão conta que entre suas tarefas está, antes de mais nada, o controle da urna para ver se ela realmente está vazia antes de receber o voto do primeiro eleitor. Entre suas responsabilidades estão ainda o controle aleatório de mesas eleitorais, das cédulas eleitorais e da contagem de votos.

Rita Süßmuth

Rita Süssmuth

A votação deste domingo é considerada um teste para Vladimir Putin e para a eleição presidencial de março do próximo ano. A campanha eleitoral foi marcada pelo terror patrocinado por rebeldes da República separatista da Chechênia, responsabilizados pelo grave atentado contra um trem na sexta-feira (5), que causou a morte de mais de 40 pessoas.

Observadores acreditam que o partido da Rússia Unida seja o vitorioso. Segundo o único instituto de pesquisas de opinião considerado independente no país, o Vziom-A, o partido que apóia o presidente deverá receber cerca de 30% dos votos, enquanto os comunistas podem contar com 25% dos votos.

Leia mais