1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Al Shabaab ataca universidade e mata ao menos 70 no Quênia

Atiradores do grupo radical islâmico invadem campus universitário, matando e ferindo dezenas de pessoas, a maioria estudantes cristãos. Quatro agressores morrem após confronto com forças de segurança.

Ao menos 70 pessoas foram mortas e cerca de 80 ficaram feridas nesta quinta-feira (02/04), quando combatentes do grupo radical islâmico Al Shabaab invadiram um campus universitário na cidade de Garissa, no nordeste do Quênia, mantendo cristãos como reféns e trocando tiros com forças de segurança por várias horas.

"Infelizmente perdemos um monte de vidas. Não confirmamos o total, mas são por volta de 70 alunos. E 79 ficaram feridos, sendo nove em estado crítico", disse o ministro do Interior do Quênia, Joseph Nkaiserry.

O ataque aconteceu ao amanhecer, quando muitos estudantes ainda estavam nos dormitórios. Esse é o pior ataque no país desde o atentado contra a embaixada dos Estados Unidos, em 1998, quando 213 pessoas morreram.

"Estamos vasculhando a área", afirmou. "Podemos confirmar a morte de quatro terroristas", acrescentou, afirmando que a operação prossegue, mas que 90% da ameaça foi eliminada. Nkaiserry afirmou ainda que o número total de agressores ainda é desconhecido.

Os terroristas foram mortos depois que forças de segurança quenianas lançaram uma ofensiva no último edíficio onde os insurgentes estavam encurralados já há mais de 12 horas.

O ministro disse que aproximadamente 500 dos 815 estudantes do Garissa University College foram resgatados. Alguns conseguiram escapar sem ajuda.

O chefe da polícia queniana, Joseph Boinet, disse que o Quênia introduziu um toque de recolher, das 18h30 às 6h30, em quatro regiões próximas da fronteira com a Somália, como medida de segurança. Ele afirmou ainda que os extremistas dispararam indiscriminadamente dentro do complexo universitário.

Al Shabaab assume autoria

Kenia Attentat in Garissa

Estudantes são retirados de um alojamento depois de terem escapado dos ataques

O governo queniano também ofereceu uma recompensa de cerca de 215 mil dólares pelo principal suspeito de ter organizado e planejado o ataque. Autoridades de segurança divulgaram uma fotografia de Mohammed Dulyadayn, também conhecido como Mohammed Kuno Gamadheere ou xeique Mohammed, um ex-professor que lecionava sobre o Alcorão e que teria se unido ao extremistas somalianos e chegado a postos de comando.

O Al Shabaab assumiu a responsabilidade pelo ataque, realizado nas primeiras horas da manhã, numa região localizada a 140 quilômetros da fronteira com a Somália. O grupo tem ligações com a rede terrorista Al Qaeda e já realizou uma série de ataques em solo queniano, em retaliação ao envio de tropas quenianas para combater o grupo na Somália.

Sheikh Abdiasis Abu Musab, porta-voz de operações militares do Al Shabaab, disse que o grupo manteve muitos cristãos como reféns. "Separamos as pessoas, libertando os muçulmanos", declarou à agência de notícias Reuters.

PV/rtr/afp/dpa

Leia mais