AL apoia Argentina no impasse sobre exploração petrolífera nas Malvinas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 23.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

AL apoia Argentina no impasse sobre exploração petrolífera nas Malvinas

Chefes de 32 países latino-americanos e caribenhos reunidos no México assinaram documento de apoio ao governo argentino. Para Reino Unido, país está no direito de explorar petróleo na região das Malvinas.

default

Plataforma a caminho das Malvinas

Argentina ganhou apoio de líderes latino-americanos e caribenhos no impasse com o Reino Unido em relação à exploração de petróleo na região das Ilhas Malvinas.

No último dia da Cúpula da América Latina e Caribe, nesta terça-feira (23/02) no México, os 32 chefes de Estado e governo do chamado Grupo do Rio assinaram documento em que manifestam seu apoio ao governo de Cristina Kirchner .

O governo argentino defende que a exploração de petróleo pelo Reino Unido no Atlântico Sul representa uma violação das disposições das Nações Unidas. Em comunicado, a companhia britânica Desire Petroleum anunciou, nesta segunda-feira, que as perfurações já começaram.

As Ilhas Malvinas – ou Ilhas Falklands – ficam na costa argentina e fazem parte do território ultramarino britânico. A região já foi alvo de disputa armada entre os países, em 1982.

Cristina Fernandez de Kirchner

Kirchner não aceita posição do governo britânico

Nada de extraordinário

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério de Relações Exteriores do Reino Unido, a posição do governo em Londres permanece a defendida pelo chefe da pasta, David Miliband, no Parlamento britânico em 18 de fevereiro último.

Na ocasião, Miliband relativizou a importância do caso, dizendo que a exploração de petróleo na região das Ilhas Falklands "não é nada fora do comum". Segundo o ministro, os trabalhos no local estão sendo conduzidos de acordo com a lei internacional.

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, também falou sobre o assunto numa entrevista de rádio na última quinta-feira (18/02). "Essa é uma perfuração para exploração futura. Está perfeitamente dentro dos nossos direitos e eu acredito que os argentinos entendem isso."

Sobre a possibilidade de um novo conflito armado, como o ocorrido em 1982, Gordon Brown disse na entrevista que acredita numa discussão sensata sobre o assunto. Mas ressaltou: "Nós temos cuidado de todos os preparativos necessários para ter certeza de que as Ilhas Falklands sejam protegidas propriamente."

Chris Bryant, secretário de Estado para Europa e América Latina no Ministério britânico de Relações Exteriores, declarou que o Reino Unido reconhece a soberania das Ilhas Falklands. "Nós estamos acompanhando a situação de perto, mas vamos reagir a cada acontecimento na Argentina. Nós continuamos focados em apoiar o governo local em desenvolver negócios em seu território."

Argentinien Denkmal Falkland Krieg

Monumento lembra o conflito de 1982

Repartir o petróleo

Para Chris Brown, especialista em relações internacionais da London School of Economics, não há nada de novo na questão. "É esperado há anos que o governo do Reino Unido seguisse com a exploração. Isso sempre ficou implícito".

Segundo o especialista, é correto que a Argentina busque apoio diplomático dos países vizinhos, mas alerta: "Os países da região não devem oferecer nada a mais que isso".

Chris Brown classificou de "estúpida" uma possível reação armada do governo argentino. "Seria interessante se o Reino Unido buscasse negociar com o governo argentino como, por exemplo, avaliar uma divisão do que for explorado na região", sugere Brown.

Autora: Nádia Pontes

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados