1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ajuda para uma moderação islâmica

Alemanha planeja projetos no Afeganistão com as metas de estabilização e chance para ser um país islâmico moderado, disse a ministra da Cooperação e Desenvolvimento, Heidemarie Wieczorek, em entrevista à Deutsche Welle.

default

Ministra Heidemarie Wieczorek com o presidente afegão Hamid Karzai, em recente visita a Cabul

A senhora disse que investimentos em política de desenvolvimento são a política de segurança menos dispendiosa. Isto certamente diz respeito também ao Afeganistão. Quantos ajudantes a senhora quer enviar para lá e quais são suas tarefas?

A meta é contribuir para que o Afeganistão se estabilize política, econômica e socialmente e tenha a chance de ser um país islâmico moderado, que possa viver em paz interna e também externamente. E nós planejamos enviar aproximadamente 50 ajudantes para a ação em Cunduz. (A Alemanha vai mandar uma tropa de até 450 soldados para garantir a segurança na reconstrução dessa cidade).

E quais serão as tarefas?

São principalmente ajudar aqueles sem trabalho e sem renda, os desmobilizados do Exército, por exemplo, que não têm nenhuma chance, e também os jovens desempregados. Isto significa que todos os nossos projetos são de ajuda, por exemplo, construção de estradas, obras para garantir água potável e escoamento de esgotos, o que é um grande problema lá. Nós pretendemos fazer com que as pessoas tenham uma ocupação primeiramente na construção das obras de que a população mais precisa e que sejam pagas pelo seu trabalho.

Quais as organizações alemãs que vão participar?

São as organizações alemãs que executam a cooperação ao desenvolvimento. Mas também estamos dispostos a atuar com outros parceiros e se ONGs quiserem participar elas também serão convidadas. Mas elas próprias podem decidir.

O desemprego é um grande problema e a pobreza também, sobretudo entre os agricultores. Um grande problema do Afeganistão é que muitos agricultores cultivam papoula para produção de heroína. O governo alemão também participa dos programas existentes destinados a uma substituição do cultivo da matéria-prima da heroína por outras plantas?

Deutsche Soldaten in Kabul

Soldados alemães em Cabul

Na região de Cunduz existe uma província em que isto é um problema especial. Não é o caso nas outras três províncias. Mas em geral, o problema de cultivo de papoula e mesmo a produção da droga é uma ameaça evidente no país, tanto para a população atual quanto para o futuro do país. Quer dizer que quem não fizer nada para a estabilização do país permite que tais grupos desenvolvam livremente suas atividades criminosas e nós queremos evitar isto. O mais importante é oferecer alternativas para que as pessoas tenham uma fonte de renda fora desse setor perigoso. Mas temos também que obstruir os mercados consumidores de heroína e para isto a Alemanha contribui com treinamento da polícia de fronteira no Afeganistão neste setor com a meta de evitar possibilidades de venda fora do país. Quer dizer, de um lado se incentiva o cultivo alternativo da matéria-prima e, de outro, se combate o mercado de venda da heroína.

Dentro de poucos dias será realizada em Madri uma conferência de doadores de recursos para o Iraque. Lá existem também grandes tarefas de reconstrução e os Estados Unidos estão visivelmente sobrecarregados. Qual é a sua posição sobre uma participação financeira da Alemanha para ajudar as pessoas necessitadas de lá? (A Alemanha foi, categoricamente, contra a guerra dos EUA e Grã-Bretanha).

Nós já prestamos até agora uma ajuda humanitária direta de 50 milhões de euros. Da ajuda da União Européia, a nossa parte é de 45 milhões de euros. Já demos uma ajuda através de Bruxelas no valor de 25 milhões de euros. Além disso, vamos contribuir com a reconstrução do Iraque, seja com ajuda ou créditos do Banco Mundial. Mas o mais importante é garantir a segurança no Iraque, para que haja uma transição pacífica para a soberania iraquiana e, principalmente, que a Organização das Nações Unidas (ONU) tenha um papel maior na reconstrução do país.

Leia mais