1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Airbus sobrevoa Boeing

Fabricante europeu de aviões voa alto, enquanto Boeing enfrenta turbulências. Aeronaves modernas e a boa distribuição dos clientes são os trunfos da Airbus, que vem acabando com a supremacia da Boeing em várias áreas.

default

Montagem final de aviões Airbus em Hamburgo

Ao menos por enquanto, a Airbus não foi atingida pela grave crise na aviação mundial, iniciada após os atentados terroristas do 11 de setembro nos Estados Unidos. O consórcio europeu produziu em 2003 mais de 300 aviões, superando de longe o rival de Chicago, que aprontou no ano passado 281 aeronaves.

Há muitos motivos para esta liderança da Airbus, explica Nils Machemehl, "mas o principal deles é que os produtos oferecidos pela Boeing são ultrapassados", adverte o analista de aviação da MM Warburg. Segundo ele, as duas concorrentes equiparam-se na produção de aviões de corredor único, empregados preferencialmente em trechos curtos.

Já nas aeronaves para trajetos longos, a Airbus garante supremacia através dos modernos equipamentos a bordo dos A-330 e A-340. "Com o 777, a Boeing tem um produto moderno neste segmento, mas o 767 e o 747 são ultrapassados", sentencia o especialista alemão.

Variado catálogo de clientes Entre os fatores que acabaram se tornando um problema para a empresa de Chicago, estão os próprios Estados Unidos, as prioridades de mercado e a longa garantia de estabilidade de vendas. "A Boeing foi seriamente atingida pela dificuldade em vender aviões novos nos Estados Unidos após os atentados de 2001", diz Machemehl. Além disso, a epidemia de Sars criou uma séria crise no segundo principal mercado da empresa: a Ásia.

Já o consórcio Airbus é favorecida pelo seu catálogo de clientes, que ao contrário dos da Boeing estão espalhados pela Europa, Ásia e Estados Unidos. Por isso, ela acaba não sendo tão fortemente atingida por crises regionais. Os europeus estão de olho inclusive na área de defesa, até agora dominada pela companhia norte-americana. "Acontece que a European Aeronautic Defense and Space Company (EADS), o grupo aeroespacial europeu ao qual pertence a Airbus, tem forte participação em três das áreas de produção deste setor: aviões de caça, foguetes e satélites", salienta o analista Machemehl.

Expectativas para o ano

Um dos objetos de prestígio construídos na Europa é o avião de caça Eurofighter. Além disso, a EADS está produzindo um sistema de satélites militares para a Grã-Bretanha. Segundo Machemehl, os europeus estão atrás da Boeing apenas no referente à produção de aviões militares de transporte.

Pouco deve mudar em 2004 na concorrência entre as duas gigantes da aeronáutica. Para o representante da Airbus na Alemanha, a situação não deve melhorar nos próximos tempos. Ao jornal especializado em economia Handelsblatt, Gerhard Puttfarcken disse que as companhias aéreas ainda estão se recuperando da grave crise que atingiu o mundo inteiro.

A supremacia de mercado, entretanto, não é o objetivo do consórcio europeu. "Nosso objetivo é manter 50% do mercado", disse Puttfarcken. As esperanças da indústria continuam depositadas nas companhias aéreas baratas, que segundo Machemehl podem compensar de certa maneira a diminuição das encomendas por empresas tradicionais.

Leia mais

Links externos