1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Airbus não quer lançar hipóteses sobre motivos da queda em Nova York

Análise da gravação reforça tese de acidente. Não há alemães entre as vítimas.

A empresa Airbus recusou-se nesta terça-feira a manifestar qualquer hipótese sobre as prováveis causas da queda da aeronave do tipo A300-600, ontem em Nova York. "Precisamos aguardar o resultado das investigações", contemporizou um porta-voz da empresa em Toulouse, na França.

A primeira análise dos registros de voz a bordo reforça a tese de que o acidente que matou pelo menos 265 pessoas foi causado por falha numa das turbinas. As autoridades não excluem totalmente a possibilidade de um atentado terrorista, mas a gravação na caixa preta não registra nenhuma voz desconhecida, nem ruídos inexplicáveis, anunciou o National Transportation Safety Board, responsável pela apuração do acidente.

Testemunhas oculares relataram que uma das turbinas se desprendeu da aeronave pouco após a decolagem. O avião partiu-se em pelo menos quatro partes e precipitou-se sobre o bairro residencial de Queens. Para chegar a conclusões mais seguras, os investigadores querem analisar ainda a caixa preta que registra os dados do vôo. A Airbus enviou sete especialistas para os EUA, para participar das apurações.

Maioria das vítimas era dominicana

A aeronave acidentada transportava 251 passageiros, dos quais 150 dominicanos que queriam visitar seu país, e nove tripulantes. A lista de passageiros provisória que a American Airlines divulgou hoje (13) registra, além de inúmeros norte-americanos, passageiros da França, Haiti, Taiwan e Colômbia. Tudo indica, portanto, que não há alemães entre as vítimas.

Até a manhã desta terça-feira, tinham sido resgatados 265 corpos, segundo a CNN. Seis moradores de Queens continuam desaparecidos, pelo menos 16 ficaram feridos.

Modelo voa desde 1984

O Airbus do tipo A300-600 vem sendo utilizado para vôos comerciais regulares desde março de 1984. Atualmente, 242 aeronaves desse modelo voam para 27 companhias aéreas em todo o mundo. A empresa não tem qualquer notícia sobre aviões que tenham sido retirados de circulação depois do acidente em Nova York.

Duas quedas anteriores de aviões do mesmo tipo não tiveram nada a ver com falhas dos motores, segundo o porta-voz da Airbus. Em 26 de abril de 1994, morreram 264 pessoas em Nagoya, no Japão, quando uma aeronave de Taiwan bateu com a asa na pista, ao aterrissar, e incendiou-se. Em 16 de fevereiro de 1998, um Airbus da China Airlines teve problemas ao aterrissar em Taipé e avançou sobre uma área residencial, causando a morte de 203 pessoas.

Leia mais