1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Airbus: de desprezada à liderança

O consórcio aeronáutico europeu nasceu da parceria franco-alemã. Ridicularizada por suas pretensões iniciais, a companhia precisou de 33 anos para voar mais alto que a Boeing.

default

Hangar de montagem de aviões do consórcio europeu em Hamburgo

Como pode voar um avião cujas peças são fabricadas em 16 lugares diferentes na Europa, transportadas para lá e para cá, até serem montadas? No fim dos anos 60, fazia-se piada do projeto europeu no outro lado do Atlântico Norte. Segundo os críticos, ele estaria condenado ao fracasso e consumiria bilhões de dólares dos contribuintes do Velho Continente. Jamais teria condições de fazer frente à Boeing.

"Aquele domínio teve influência gigantesca nas decisões. Tínhamos que fazer algo contra ele. Imagine o mundo sem a Airbus: hoje só haveria a Boeing", comenta Gerhard Puttfarcken, vice-presidente sênior do consórcio europeu e diretor-geral da Airbus Deutschland desde o início deste ano.

A história

A parceria teuto-francesa no setor aeronáutico começou ainda nos anos 50, com projetos de pequenos aviões. Na década seguinte, desenvolveu-se o avião de transporte Transall. "Ainda hoje ele pode ser visto em missões, seja de socorro em situações de catástrofes, seja de caráter militar", ressalta o executivo de 56 anos.

Transall Flugzeuge

As Forças Armadas alemãs possuem vários Transall

Puttfarcken enfatiza o papel dos políticos em Paris e Bonn na criação da Airbus no fim da década de 70. "Decisiva foi a argumentação política. Eram realmente pessoas com visão de longo prazo. Estava claro que nós, europeus, queríamos juntar forças politicamente. O que pode ser melhor neste sentido do que trabalhar juntos num tema concreto?"

A decisão da companhia norte-americana Eastern Airlines de contratar por leasing quatro aeronaves A300 entrou para a história da Airbus como o momento de ruptura da supremacia da Boeing. Se em 1975 o consórcio europeu só registrava 55 encomendas, quatro anos depois elas chegavam a 256.

Airbus A 380

A380, o desafiante do Jumbo

Hoje, a carteira de produtos abrange numerosos modelos, de tamanhos diversos, como o best-seller A320, usado por linhas aéreas em todo o mundo. No futuro, o A380 poderá transportar mais passageiros, de forma menos poluente e com menos custos do que o atual Boeing 747, o Jumbo.

União dos diferentes

Como a Airbus pôde evoluir tão rapidamente, ainda mais diante das diferentes mentalidades na França e na Alemanha? "Uma organização francesa baseia tudo em: todos conhecem todos. Ou ao menos se tenta conhecer muitas pessoas, ter círculos de relações, comunicar-se por vias informais e comunicar-se muito. Muito mais do que nós (alemães). Nada é muito estático. Exige-se muita flexibilidade. Assim pode-se reagir mais depressa às mudanças. Já na Alemanha, quando se define um plano, pode-se pôr a mão no fogo que ele será cumprido. O lema é confiabilidade, robusteza e fácil previsibilidade", responde Puttfarcken.

O executivo exemplifica ao falar de seleção de pessoal. "Um alemão estuda a carta de candidatura, examina todos os documentos e faz um monte de avaliações. Os franceses ligam um para o outro e perguntam o que eles acham do candidato. Se houver uma maioria a favor, está contratado."

Hoje, a Airbus é uma companhia alemã, francesa, inglesa e espanhola. "Esta influência multicultural traz para o sistema uma criatividade muito diversa. Esta internacionalidade pode até ter gerado tensões e conflitos, mas também ajudou a superá-los", acredita o diretor-geral.

Sucesso econômico, sucesso político

Para Puttfarcken, o sucesso econômico e comercial da Airbus contribui para a estabilidade nas relações entre os Estados, não só dentro da Europa. "É evidente que a Airbus desempenha papel considerável nas economias de cada país, tanto na Alemanha, quanto na França, Inglaterra e Espanha. Mas também naquelas fornecedoras que ultrapassam as fronteiras da Europa", diz o executivo alemão, que ainda acrescenta: "Airbus significa empregos, sucesso e crescimento econômico. Assim, ela tem dimensões políticas".

Embora Alemanha e França tenham sido o motor de ignição da Airbus, não são os idiomas destes países que unem o consórcio. "Claro que é legal falar francês. Mas para cuidar dos negócios ou para manter amizade com os colegas de trabalho, o inglês é mais que suficiente. Nós fizemos um acordo neste sentido", conta o vice-presidente sênior do grupo europeu.

Leia mais

Links externos