1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Agricultores alemães temem que falta de mão-de-obra ameace colheita

Produtores alegam dificuldades para contratar estrangeiros, sobretudo poloneses, e culpam legislação alemã, que limita o número de trabalhadores empregados e o tempo que eles podem permanecer na Alemanha.

default

Trabalhadores poloneses vieram em menor número para a colheita do aspargo

A falta de mão-de-obra estrangeira está ameaçando a colheita do aspargo e do morango na Alemanha, segundo reclamações dos agricultores locais. Entre os estados mais afetados estão a Baixa Saxônia, Brandemburgo e a Renânia do Norte-Vestfália.

Dados da Agência Federal do Trabalho mostram que, até a metade de maio, havia 178 mil estrangeiros trabalhando na agricultura alemã, 10 mil a menos do que no ano passado e 40 mil a menos do que em 2005.

De acordo com os agricultores, os maiores problemas estão sendo enfrentados na colheita do aspargo. "Falta um terço da mão-de-obra necessária. Algumas lavouras estão perdendo 30% da colheita", criticou Dietrich Paul, da associação que reúne os produtores agrícolas da Baixa Saxônia.

Críticas à legislação

As críticas dos agricultores se voltam principalmente contra uma lei elaborada pelo ministro do Trabalho Franz Müntefering, que limita em 90% o número de trabalhadores do Leste Europeu que podem ser empregados na colheita – os demais 10% têm de ser necessariamente desempregados alemães. "Eu empreguei dez alemães. Oito vieram e apenas um ainda está lá", reclamou um agricultor.

Outro ponto da legislação criticado pelos agricultores é o limite de quatro meses que os trabalhadores estrangeiros podem permanecer na Alemanha. Com isso, parte da mão-de-obra oriunda de países do Leste Europeu, principalmente da Polônia, prefere ir para outros países da União Européia, como o Reino Unido, a Itália ou a Holanda, onde as legislações são menos rígidas.

O Partido Liberal Democrático (FDP) e a Associação dos Agricultores Alemães (DBV) pediram o fim da lei, que está em vigor desde 2006. "A livre circulação de trabalhadores na Europa deve se tornar realidade o mais rápido possível", exigiu o deputado liberal Hans-Michael Goldmann. Pela lei atual, apenas em 2011 cairão os limites para permanência de trabalhadores poloneses na Alemanha.

Temor exagerado

O Ministério da Agricultura considerou exagerados os temores de quebra na colheita devido à falta de mão-de-obra. "Ainda é muito cedo para fazer prognósticos", disse uma porta-voz. De acordo com o ministério, foram os próprios agricultores que requisitaram menos mão-de-obra estrangeira.

O ministério lembrou ainda que a atual legislação foi formulada de comum acordo com os agricultores e que ela já foi alterada uma vez: em 2006, o limite de mão-de-obra estrangeira era de 80%.

O Ministério do Trabalho revidou as críticas com a mesma argumentação: "As regras foram definidas junto com as associações de agricultores e permanecem válidas. Os agricultores são incentivados a buscar uma solução com as agências de trabalho locais", afirmou um porta-voz. (as)

Leia mais