1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Agente secreta mina instituição literária

Um dos maiores prêmios literários de língua alemã foi conferido a alguém que prescinde da cultura escrita e jamais escreveu uma obra literária no sentido estrito.

default

De Alexandria à era digital

"A ZIA (Zentrale Intelligenz Agentur) é uma joint venture capitalista-socialista com a meta de estabelecer novas formas de colaboração. Como firma virtual, combinamos o profissionalismo de uma empresa com a flexibilidade de uma rede de free lancers, cobrindo assim um amplo espectro de leitores."

Assim se apresenta o site zentrale-intelligenz-agentur.de, misturando o discurso do novo management com o das novas mídias. Uma agência que publica colunas em jornais berlinenses, faz newsletters para agências de propaganda e elabora anúncios para a BMW, por exemplo. Mas não só.

Powerpoint provocou queda do Columbia

"Todos odeiam o Powerpoint, o programa de apresentação com que os cientistas nerds, administradores e marqueteiros conseguem se comunicar – e só com ele, diga-se de passagem. Vocabulário bullshit, animações clip art e pensamento em bullet points entraram para o cotidiano através do Powerpoint."

"Em função de seu efeito mortal para a inteligência, dizem até que o programa foi co-responsável pela queda do ônibus espacial Columbia. Mas, assim como a música pop ruim, o Powerpoint pode ser muito divertido: na forma de Powerpoint Karaoke."

Com iniciativas híbridas entre o intervencionismo artístico e o mercado das novas mídias, a ZIA escapa a definições. O site criado pela germanista e webmaster Kathrin Passig e pelo jornalista Holm Friebe poderia ser reduzido a um mero projeto de web art, se não fosse seu curioso alcance.

"Goethe me diz algo, mas esqueci o quê"

BdT Die diesjaehrige Bachmann-Preistraegerin Kathrin Passig

Kathrin Passig

A atenção da opinião pública alemã se voltou para esta iniciativa por um motivo igualmente curioso. Kathrin Passig ganhou este ano o Prêmio Ingeborg Bachmann, um dos mais renomados de língua alemã, conferido em Klagenfurt, na Áustria. E o mérito literário que a fez merecedora da premiação não provém de sua profunda familiaridade com a cultura literária escrita.

A autora, que venceu o concurso de Klagenfurt com um conto sobre alguém que se perde numa tempestade de neve, não só nunca escreveu uma obra literária, como declarou jamais ter lido a poeta Ingeborg Bachmann. "Goethe, Brecht e Mann me dizem alguma coisa, mas esqueci o quê", declarou a autora, sem explicitar à imprensa se estava falando sério ou não.

Seu único livro publicado é Die Qual der Wahl (O martírio da escolha), um "manual para sadomasoquistas e para todos que quiserem se torná-lo", publicado pela Rowohlt. Para a mesma editora, ele prepara o Lexikon des Unwissens (Dicionário da Ignorância). "Não é fácil pesquisar a ignorância", constatou Passig.

Escrita coletiva e digital

E, assim como em seus projetos de escrita digital, como o blog coletivo Riesenmaschine (Máquina Gigante), Kathrin Passig escreveu estes livros em co-autoria. Ao ser escolhida como prêmio Bachmann deste ano, espalhou a suspeita de que não tivesse escrito o texto do concurso sozinha.

Com recursos de agente secreto, como o próprio nome indica, a ZIA – através da pessoa de Kathrin Passig – minou um dos prêmios literários mais renomados com estratégias de intervenção. Além de insinuar uma desmontagem da cultura escrita e a hegemonia da cultura digital, denunciou o caráter institucional dos concursos literários, alegando ter escrito seu único texto literário sob medida para Klagenfurt.

"Uma redação de escola sem relevância", desqualificou-a um dos veículos de imprensa mais representativos da cultura escrita alemã, o jornal Die Zeit. O que poucos notaram, no entanto, é que a ZIA não deixa de resgatar precursores literários como o acionismo dadaísta e à Oulipo, Oficina de Literatura Potencial. Independentemente do teor literário do texto vencedor de Klagenfurt, o hibridismo das intervenções da ZIA tem mais ambigüidade literária do que grande parte dos livros escritos hoje.

Leia mais

Links externos