1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Afeganistão investiga rumores de que líder talibã está morto

Mulá Omar teria morrido há pelo menos dois anos no Paquistão, devido a uma doença. Se confirmada, morte pode complicar processo de paz, pois movimento radical ficaria sem uma figura de liderança.

O Afeganistão investiga os rumores, que ganharam força nesta quarta-feira (29/07) na imprensa internacional, de que o mulá Omar, líder do Talibã, teria morrido há pelo menos dois anos no Paquistão.

Omar não é visto em público desde 2001, quando os Estados Unidos invadiram o Afeganistão e derrubaram o regime talibã. A partir de então, ele liderou uma insurgência sangrenta contra as forças de segurança americanas. Nos últimos anos, o Talibã chegou a divulgar diversas mensagens atribuídas ao líder extremista.

O porta-voz do gabinete presidencial do Afeganistão, Sayed Zafar Hashemi, afirmou que o governo está investigando os relatos sobre a morte do mulá. O grupo extremista ainda não comentou a informação.

"Estamos cientes dos relatos sobre a morte do mulá Omar, líder do Talibã", disse Hashemi. "Ainda estamos no processo de verificação desses relatos. Assim que obtivermos a confirmação, vamos comunicar aos afegãos e à mídia."

Os rumores de sua morte vêm dois dias antes da próxima rodada de negociações entre o governo afegão e representantes do Talibã, que será realizada no Paquistão. Caso seja confirmada, a morte de Omar poderia complicar o processo de paz, pois eliminaria uma figura de liderança dos rebeldes. Até então, eles pareciam agir coletivamente, mas podem se dividir sobre a possibilidade de continuar a guerra ou negociar com o governo.

Sob condição de anonimato, um diplomata ocidental que possui conexões com a liderança talibã afirmou que é importante saber se mulá Omar está vivo ou morto, pois ele é uma figura coletiva para o Talibã.

"Se ele estiver morto, será muito mais difícil seguir com as negociações com o Talibã, pois não haveria nenhuma figura coletiva para reunir todos ao redor e tomar a responsabilidade coletiva por iniciar conversações de paz", afirmou.

Insurgentes talibãs têm espalhado sua guerrilha do sul do Afeganistão até o leste, onde o país faz fronteira com o Paquistão. Em semanas recentes, os rebeldes tomaram o controle de distritos remotos na província de Badakhskan e continuam a lançar ataques em massa em distritos da província de Kunduz, uma região estratégica localizada na fronteira com o Tadjiquistão.

Uma missão militar com forças americanas e da Otan encerrou suas operações estratégicas no país no fim do ano passado.

PV/ap/afp/dpa

Leia mais