″Afeganistão está muito melhor do que há dez anos″, diz Westerwelle | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.12.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Afeganistão está muito melhor do que há dez anos", diz Westerwelle

Uma década após o início da guerra afegã, ministro alemão do Exterior vê 2011 como ano decisivo para o país. A Alemanha começará a retirar suas tropas do Afeganistão em 2012, mas reitera que não abandonará o povo afegão.

default

Westerwelle: 'Nossa missão não perdeu importância'

O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, declarou nesta quinta-feira (15/12) que não haverá vácuo de poder no Afeganistão após a saída das forças ocidentais, abandonando os afegãos e dando espaço para que o terrorismo prospere novamente. Enquanto a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) planeja encerrar sua missão no país em 2014, a Alemanha pretende começar a retirar suas tropas já no início de 2012.

Atualmente, 5.350 soldados alemães estão autorizados a servir nas forças da Otan. Tal número deverá ser reduzido para 4.900 no final de janeiro próximo e para 4.400 no início de 2013. "Nossa missão não perdeu importância. Trata-se de banir a ameaça de morte sobre o nosso país", considera Westerwelle.

O parlamento alemão precisa reautorizar tais medidas a cada ano. A votação sobre o próximo mandato será realizada em 26 de janeiro de 2012. Como os Estados Unidos definirão seus próximos planos de retirada de tropas apenas em abril, a Alemanha ainda não pode determinar metas para o segundo semestre do ano que vem.

Momento decisivo

"O Afeganistão está melhor do que há um ano e muito melhor que há dez anos", ponderou Westerwelle. O ministro aponta 2011, ano em que a guerra afegã completou uma década, como decisivo para a política internacional do país. Isso é em parte resultado do trabalho de diplomatas e soldados alemães, destaca o político.

A entrega da responsabilidade pela segurança do país ao governo afegão teve início em julho deste ano. "O início da transição é um sucesso, apesar de difíceis obstáculos", considera Westerwelle.

O ministro declarou ainda que não haverá uma solução militar, mas sim, política. Por isso, a Alemanha apoiou o caminho da reconciliação e as negociações com o movimento talibã.

Durante uma conferência sobre o Afeganistão em Bonn, na Alemanha, na última semana, a comunidade internacional também garantiu apoio ao país, mesmo após a retirada das tropas ocidentais em 2014. "Não abandonaremos o povo afegão", reiterou Westerwelle.

"Os resultados do trabalho de cooperação para o desenvolvimento se deixam medir mais em décadas do que em anos", acrescentou o ministro. O governo alemão envia ao Afeganistão 430 milhões de euros a título de financiamento do desenvolvimento a cada ano. Em contrapartida, os afegãos teriam de se esforçar mais por um bom governo do que fizeram até o momento.

LPF/dpa/afp/dapd/dw
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais