1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Adorno e a posteridade

A imprensa alemã dedicou mais de uma centena de artigos ao filósofo Theodor W. Adorno nos dias que antecederam o centenário de nascimento. DW-WORLD selecionou alguns comentários.

default

Juergen Habermas: o ex-discípulo escreve sobre o mestre Theodor Adorno

Qualquer diário em língua alemã que se preze encontrou pelo menos um enfoque para falar do grande mestre da Escola de Frankfurt. O suíço Neue Zürcher Zeitung, de Zurique, dedicou pelo menos três artigos ao centenário, um deles intitulado "Didática do Esclarecimento", e até o austríaco Der Standard ("As contradições da Realidade" e "Às vezes o esclarecimento golpeia") não quis ficar atrás. Na Alemanha foi um verdadeiro festival.

O Frankfurter Rundschau publicou "Com o pensamento, além do pensamento", em que detecta "correntes subliminares místico-musicais" na filosofia de Adorno, classificando seus escritos "entre as grandes obras místicas da literatura mundial". Frase capaz de fazer se virar no túmulo quem escreveu que "toda união mística permanece uma ilusão", pelo menos no sentido da "loucura aberta do capitalismo tardio", como observa o próprio autor do artigo. No entanto, é a sensação que provoca a leitura, por exemplo, do que o jovem Adorno escreveu sobre a música de Schubert.

O diário austríaco Die Presse lembra em "O pertubador" o que disse o filósofo alemão Peter Sloterdijk sobre o significado do dia 11 de setembro: que ele ficará na memória como a data de nascimento de Theodor Adorno e não como o dia da destruição do WTC. O diário escreve: "...Sloterdijk levantou a tese de de que o pensamento do filósofo, sociólogo e estético Adorno representa um acontecimento, do ponto de vista da história da cultura, muito mais importante do que a destruição das torres gêmeas e suas conseqüências militares e políticas. - Verdadeiramente uma tese arrojada, principalmente em uma era em que Adorno e sua filosofia parecem estar relegados aos historiadores da filosofia e autores de biografias.

Der Philosoph Peter Sloterdijk

O filósofo P. Sloterdijk, ao discursar em Weimar, por ocasião do primeiro centenário da morte de Friedrich Nietzsche (1844-1900)

Tudo o que se associa de imediato ao sociólogo - a crítica neomarxista ao capitalismo, a dialética negativa, os ataques à indústria cultural e o temor de um mundo burocratizado - parece não somente ultrapassado e empoeirado, como superado pela própria história... " A tese de Sloterdijk procura revidar essa impressão, e o diário vê razões suficientes para se resgatar do esquecimento o legado de um "pensador sutil e não-dogmático ". Nada mais atual que a obra do provocador Adorno, principalmente "para as novas gerações que já se enroscaram com toda empatia nas rodas do sistema".

O semanário Die Zeit dedicou vários artigos a Adorno em seu suplemento literário: "O menino prodígio" sobre as três novas biografias, "O verdadeiro conservador", sobre a negatividade de Adorno, que tantos assustou. O artigo considera hoje sua crítica atual e convincente, frente ao "otimismo imposto". Mas o mais interessante é de Jürgen Habermas e intitula-se "O tempo tinha um fundo duplo". Nele, o ex-discípulo do mestre relata suas sensações ao entrar pela primeira vez no Instituto de Pesquisa Social, o núcleo da Escola de Frankfurt, e observar a teia de relações e expectativas entre Theodor Adorno, Max Horkheimer, Gretel Adorno e Ludwig von Friedeburg.

Na década de 50, não havia outro lugar na Alemanha em que estivesse tão presente todo o mundo intelectual dos anos 20. Embora antigos integrantes do instituto, como Herbert Marcuse, Erich Fromm e outros, tivessem ficado nos EUA, nomes como Benjamin, Scholem, Brecht, Lukács, Thomas e Erika Mann, Alban Berg e Arnold Schönberg, ou mesmo Fritz Lang, faziam parte do cotidiano, o que motivou Habermas ao curioso título de seu artigo.

Walter Benjamin

O escritor e filósofo alemão Walter Benjamin no exílio, em 1937

"A presença irritantemente natural desses intelectuais me trouxe à consciência uma diferenciação na percepção do tempo. Enquanto 'para nós' a República de Weimar estava além de uma profunda cisão no tempo, 'para eles' a continuidade dos anos 20 na emigração acabara somente há alguns anos. Habermas achou "ao mesmo tempo estranho e fascinante" esse novo universo intelectual em que entrou em 1956.

"Comparado com o ambiente da Universidade de Bonn, ali a lava do pensamento estava em fluxo. Nunca antes eu me deparara com uma complexidade intelectual de tal forma diferenciada e complexa, no seu estágio de surgimento - sob a forma de movimento, antes de sua fixação literária." Também Habermas destaca a capacidade de Adorno como orador de frases perfeitas, prontas para serem impressas.

"Quem ouvisse Adorno jamais poderia confundir o espírito vanguardista da modernidade com o falso progresso da 'reconstrução', que se autodesmentia em termos estéticos. O que para mim era novo e inaudito: argumentos de estética adquiriam evidência política em um contexto filosófico" - admirou-se Jürgen Habermas, o último dos grandes nomes da Escola de Frankfurt ainda vivo. Em seu artigo, ele menciona ainda as lendárias conferências sobre Freud, que assistiu no pós-guerra, observando que "Adorno fundiu conceitos de Marx, Freud e Durkheim, aos que deu nova vida através do uso sistemático".

Enquanto o Frankfurter Allgemeine Zeitung ressalta as palestras radiofônicas de Adorno, acrescentando que ele pretendia escrever uma "teoria do rádio", o Neue Zürcher Zeitung se pergunta "O que resta de Adorno", principalmente depois que as ciências sociais e humanas de hoje continuam demolindo o seu edifício teórico. Por um lado, o autor do artigo reconhece sua linguagem "de enorme densidade e luminosidade interna. Pode-se acusar esse autor difícil de muita coisa, mas não de falta de sensibilidade, senso de qualidade ou profundidade de pensamento."

"À sombra de seus estudos universitários, ele criou um cosmo de ensaios que é de uma magia proustiana na recordação da felicidade perdida, e que bem pode ser considerada a parte mais válida de sua obra. A "Minima Moralia" também deve ser incluída entre o que permanece. Esse que é o seu livro mais pessoal é uma obra heterogênea. "Aqui também há, oculto, um tesouro de pensamentos que, de longe, não foi ainda desvendado e que poderá refletir-se de forma produtiva nas ciências humanas, assim como outrora aconteceu com os escritos de Schiller sobre estética."

Leia mais